Clóvis Bulcão

Grande Gala no Municipal

9 / outubro / 2015

Espetáculo de reinauguração do Theatro Municipal do Rio de Janeiro © Pedro França

Espetáculo de reinauguração do Theatro Municipal do Rio de Janeiro
© Pedro França

Em boa parte do século XX, o belíssimo Theatro Municipal do Rio de Janeiro foi palco de grandes estreias. Fundado em 1909 como uma das joias da reforma urbana implementada na cidade pelo prefeito Pereira Passos, era o teatro mais importante do Brasil, atraindo estrelas internacionais que iam do bailarino russo Nijinski e da cantora lírica americana Maria Callas ao pianista polonês Arthur Rubinstein.

A primeira noite de um espetáculo era chamada de Grande Gala. Além de o preço do bilhete ser mais elevado do que o habitual, a sofisticação imperava: as mulheres tinham de ir de longo e os homens, de smoking. Nessas noites em que a alta sociedade carioca se reunia no foyer da casa para ver e ser vista, os Guinle eram presença obrigatória.

Aliás, a relação deles com o Municipal foi intensa. A matriarca Guilhermina não perdia a oportunidade de subir suas escadarias, em plena Cinelândia. Carlos Guinle, no fim da vida, se ocupou do patrocínio de alguns espetáculos. Arnaldo mantinha em seu nome uma das frisas como se fosse uma cadeira cativa de estádio de futebol. E foi no majestoso restaurante do Theatro, o Assírius (hoje Café do Theatro), uma réplica do estilo assírio, que Arnaldo conheceu o músico Pixiguinha, em cuja carreira investiu.

O Theatro era tão associado ao mundo do divertimento sofisticado que, na década de 1950, passou a sediar o baile de Carnaval mais exclusivo do país. A banda ficava no palco e as cadeiras da plateia eram retiradas para dar espaço ao salão da festa. Foi nesses bailes, cuja cobertura, pela imprensa, fazia as delícias da classe média, que o playboy Jorginho Guinle, filho de Carlos, apareceu várias vezes acompanhado de charmosas atrizes do cinema americano.

Outro marca do baile era a realização dos concursos de fantasia de alto luxo. O evento emprestava ao Carnaval carioca um certo clima europeu, pois muitas dessas fantasias lembravam as vestimentas dos foliões do famoso Carnaval de Veneza.

Os tempos mudaram e, com ele, um dado muito positivo: a preocupação com a preservação do espaço, não mais se permitindo carnavais em seu interior. Por outro lado, perdeu-se também boa parte do glamour e do encantamento que envolvia o Theatro. E o que é pior: encolheu-se a agenda das atrações internacionais. Em 2014, a imprensa especializada criticou a qualidade de sua temporada e considerou sua vida artística mais fraca que a dos teatros de São Paulo, Buenos Aires e Santiago do Chile.

O Municipal ainda busca se manter como uma casa de espetáculos diferenciada, impondo regras de conduta, como a proibição do uso de bermudas em suas dependências, e não tolerando com atrasos dos  espectadores. Em outras cidades, as Grandes Galas seguem existindo com esplendor. Mas, no Rio de Janeiro, elas acabaram, levando com elas inúmeras histórias, assim como a era dos Guinle.

Leia mais Clóvis Bulcão

Futebol e civilização

Futebol e civilização

Celebridades e história

Celebridades e história

Arnaldo Guinle e as arenas do futebol brasileiro

Arnaldo Guinle e as arenas do futebol brasileiro

Zózimo e a história do Rio

Zózimo e a história do Rio

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *