Notícias

Uma guerra que mudou o futuro dos video games

18 / setembro / 2015

GUERRADOSCONSOLES_blog_alt

Enquanto crianças se divertiam com alguns dos melhores jogos já produzidos nas décadas de 1980 e 1990, uma guerra acontecia.

Travada em fronts inusitados, como na sede da rede de supermercados Walmart, e com estratégias que passariam longe do que o fair play empresarial de hoje aconselha, a batalha mudou os rumos do mercado de video games.

De um lado, a gigante centenária Nintendo, dona de 90% do mercado de video games na época e de um dos personagens mais icônicos para toda uma geração — o baixinho encanador Mario. De outro, a Sega, que almejava muito mais do que uma fração daqueles 10% restantes.

Para enfrentar a concorrência, a Sega precisava de algo diferente do que a Nintendo fazia. Sua arma principal era o Genesis, conhecido como Mega Drive no Brasil, o primeiro console da chamada era 16-bit, o dobro do sucesso estrondoso que era o Nintendo Entertainment System. O novo rumo seria dado por Tom Kalinske, executivo da área de brinquedos da Mattel e responsável por sucessos como a revitalização da Barbie e a criação do He-Man. Com uma visão de fora do mercado de video games, Kalinske apresentou novas ideias e deflagrou uma guerra entre as empresas.

Para chegar até o momento retratado por Blake J. Harris em A guerra dos consoles, as duas empresas passaram por momentos históricos distintos. Confira a linha do tempo das duas companhias abaixo:

Infografico_vertical_4 (00000002)

Leia mais Notícias

Sessão de autógrafos com Isabela Freitas na Bienal – parte II

Sessão de autógrafos com Isabela Freitas na Bienal – parte II

Bate-papo e autógrafos com Isabela Freitas na Bienal – parte I

Bate-papo e autógrafos com Isabela Freitas na Bienal – parte I

Os livros que você precisa conhecer na Bienal

Os livros que você precisa conhecer na Bienal

Novo livro de Veronica Roth, autora de “Divergente”, chega às livrarias em agosto

Novo livro de Veronica Roth, autora de “Divergente”, chega às livrarias em agosto

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *