Maurício Gomyde

Escrever para quê?

30 / setembro / 2015

Via Picjumbo

Cada vez que me proponho a escrever um livro, diariamente tento fazer um pequeno ritual antes de começar. Já com uma música bacana no fone e no clima da história que decidi contar, pergunto-me: “Qual o sentido de escrever isto? Para quê, exatamente? Para quem?”

Sei que há autores que simplesmente sentam e escrevem. Lembro-me bem de uma cena do filme Encontrando Forrester (de Gus Van Sant, com Sean Connery) em que o escritor famoso e recluso, ao estilo Salinger, tem fobia de contatar pessoas. Há outra, memorável, em que descobre um talento de contador de histórias no jovem que consegue “furar o bloqueio” e se aproximar. O escritor coloca o papel na máquina de escrever e diz algo como: “Escreva!” O menino, então, pergunta: “O quê?” E ele responde: “Qualquer coisa, mas escreva. Mesmo que não saia nada. Escreva.” É emblemática a questão: o importante é escrever, seja lá o que for. Como um exercício para os dedos? Sei lá. Talvez a ideia seja a de soltar a mente, como um aquecimento para o que virá. As ideias virão, certamente, e funciona para muitos escritores.

Particularmente, demoro um pouco a engrenar nesse “sentar e escrever”. Costumo pensar muito antes de começar. Gosto de ver um sentido prévio naquele texto. Imagino demais a pessoa que vai se dispor a sair de casa, ir até a livraria e, lá, decidir qual livro levar em meio a milhares de boas opções. Não quero contar uma história por contar, ainda que considere o entretenimento a função mais nobre da arte. Penso sempre em algo que também deixe o leitor desconfortável, que o faça refletir sobre o que se passa diante dos seus olhos.

Um grande amigo sempre diz: “A cada 250 palavras, você deve colocar um ponto de tensão na história.” Um microdetalhe, muitas vezes. Aquilo que pode até passar inconscientemente pelo leitor, mas que o faz dar aquela ajeitada na postura, franzir a testa, arregalar os olhos e, então, seguir em frente. Não acho que a coisa deva ser científica e medida em quantidade de palavras. Mas, ao mesmo tempo, sigo a linha de que o escritor é como um artesão e que cada cena deve ser trabalhada até tornar-se forte e importante o suficiente para estar a serviço das emoções do leitor. Senão, melhor jogar fora — ela provavelmente não precisa estar ali.

Numa de minhas obras independentes, O rosto que precede o sonho, a epígrafe diz: “Meus livros não são sobre minha vida. Minha vida, sim, é que é feita toda pelos meus livros.” O sentido de escrever o que escrevo, bem ou mal, não é contar o que sou, mas o que eu gostaria de ser e ter. A vida real não tem a leveza de minhas histórias — nem haveria como. Então, se elas são um refúgio para minha alma, que sejam também para a do leitor que escolheu doar seu tempo a elas!

Se eu conseguir um pouquinho disso, tudo estará a um pequeno passo de ser perfeito.

Tags , , , .

Leia mais Maurício Gomyde

As melhores músicas do cinema

As melhores músicas do cinema

Cinco filmes que te deixam leve como uma pluma

Cinco filmes que te deixam leve como uma pluma

As oito melhores cenas de despedida do cinema

As oito melhores cenas de despedida do cinema

O amor segundo Buenos Aires, segundo Maurício

O amor segundo Buenos Aires, segundo Maurício

Comentários

8 Respostas para “Escrever para quê?

  1. A cada dia que passa me admiro mais pelas coisas que o Maurício escreve. O sentimento que nós leitoras temos com os livros dele achoque são os mesmos dele quando escreve. Tudo muito lindo.

  2. O lançamento do Surpreendente em São Paulo terá bate-papo, senha? Muito ansiosa pra te conhecer, Mauricio. Seus livros são perfeitos.

  3. Maurício, você é o cara em quem me espelho e suas palavras acabam de traduzir tudo o que habita em meu interior. Parabéns pelos livros, parabéns pela sua escrita, parabéns por ser assim. Abçs literários.

  4. Li o Surpreendente e digo aqui que foi o melhorlivro que li nos uúltimos anos. Lindo, doce, bem escrito, fofo e o que mais? Surpreendente.

  5. Quando a ideia está mais do que “amadurecida” em minha mente, faço uma pegunta a mim mesmo: Eu compraria o livro, que contém essa história? Se a resposta for positiva, iniciarei o trabalho, que saberei por alto, como vai terminar terminar. Só preciso de algo, que “pesque” a atenção do leitor no início e logo em seguida o “prendo” no enredo até que ele termine. Emoção, seja ela qual for é a força motriz de um bom enredo.
    Belo texto, meu amigo.
    Mega abraços literários.

  6. Maurício, esse é o primeiro texto seu que eu leio, por acaso decidi clicar pois o titulo me chamou a atenção. Fico muito enriquecida por saber que há alma que pensam como eu, mesmo eu sendo bem nova. Parabéns por expressar suas emoções de modo que outras se identifiquem. Isso é inexplicável e nem o melhor poeta acharia as palavras para descrever. Obrigada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *