Artigos

Do que você mais sentiria falta se o mundo como o conhecemos hoje desaparecesse?

29 / setembro / 2015

Por Mirelle Candeloro*

ESTACAOONZE_blog

Imaginem o mundo que conhecemos devastado por uma epidemia de gripe. Bilhões de pessoas morrem e as que restam precisam sobreviver em locais inóspitos, desprovidos de qualquer conforto ou tecnologia com que estejamos acostumados. Com o tempo, as lembranças da humanidade vão desaparecendo. Imagine perder os elos com a nossa história, deixando para trás conquistas e realizações não só científicas, como também artísticas.

Foram questionamentos como esses que inspiraram Estação Onze, de Emily St. John Mandel. Na distopia, a autora cria um enredo inusitado e reflexivo, que convida a analisar as consequências de uma grande catástrofe.

Quando a Intrínseca propôs aos seus parceiros que discutissem sobre o que mais sentiriam falta caso uma calamidade assolasse o planeta e qual objeto levariam para o Museu da Civilização, local em Estação onze que mantém resquícios da sociedade perdida, minha mente começou a ferver.

CapaFrente_EstacaoOnze_16x23cm.inddFiquei horas e horas atrás de uma resposta. De imediato, tudo me pareceu imprescindível, mas acabei escolhendo um objeto bem óbvio para uma bibliófila: um celular recheado com milhares de livros digitais, pois, para mim, seria impossível optar por um único exemplar físico.

Levando a minha decisão em consideração, pensei no que outras pessoas responderiam, principalmente as que também são ligadas ao universo literário. Será que todas sentiriam falta da mesma coisa? Como seria o  Museu da Civilização, composto por objetos de indivíduos tão diferentes, mas, ao mesmo tempo, com tantas coisas em comum?

Assim, decidi escrever para vários autores publicados pela Intrínseca! Reuni uma autora brasileira apaixonada por faróis, uma jornalista muito preocupada com a supervalorização da fama, uma artista que adora destruir e recriar e um autor perito em mundo pós-apocalíptico. Confiram abaixo o que eles disseram sobre o assunto:

“Sentiria falta dos meus amigos e família e levaria um laptop com a Wikipedia salva nele.”
Hugh Howey, autor da trilogia Silo

“Eu levaria um livro: Memórias de Adriano, de Margarete Yourcenar.”
Leticia Wierzchowski, autora de Navegue a lágrima e Sal

“Sentiria falta da natureza e levaria Folhas de Relva, de Walt Whitman.”
Keri Smith, criadora de Destrua este diário, Termine este livro e O mundo imaginário de…

“Eu sentiria falta de Nova York e levaria comigo as obras de Shakespeare.”
Nancy Jo Sales, autora de Bling Ring: a gangue de Hollywood

E você, do que mais sentiria falta?

link-externo

Leia um trecho de Estação onze
Uma distopia para aprender a sonhar 

*Mirelle Candeloro é blogueira, youtuber e escritora. Troca o dia pela noite, está sempre conectada nas redes sociais e ama tudo relacionado a livros, filmes e séries, comida e maternidade.

Leia mais Artigos

O inferno somos nós

O inferno somos nós

Sobre Douglas Petersen, David Nicholls, Beatles e… nós

Sobre Douglas Petersen, David Nicholls, Beatles e… nós

Uma amputação, um paciente e três mortos: conheça a sanguinolenta medicina do século XIX

Uma amputação, um paciente e três mortos: conheça a sanguinolenta medicina do século XIX

Uma Espanha confinada que não pode enterrar seus mortos

Uma Espanha confinada que não pode enterrar seus mortos

Comentários

4 Respostas para “Do que você mais sentiria falta se o mundo como o conhecemos hoje desaparecesse?

  1. Sentiria falta da minha família com certeza, e também dos livros. Levaria comigo, todas as obras da Bruna Vieira e da Gayle Forman.

  2. Ah, sem dúvidas os meus amigos e minhas famílias – pois minha família não se limita somente à biológica – seriam o que eu queria levar. Quando chegasse ao meu destino, escreveria livros e eles seriam meus leitores.

  3. Eu sentiria falta da praticidade de vida, de tudo o que conseguimos até agora… Levaria comigo o meu violão e algumas cifras, porque a vida sem música seria uma droga.

  4. O mundo como o conhecemos… será o tecnológico, ou o mundo das relações humanas? Do tecnológico sentiria falta da rapidez com que conseguimos nos comunicar, através das redes sociais e outros aparatos. Das relações humanas, que é o que mais me importa, sentiria falta da falta de amor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *