Adriana Falcão

O país das dúvidas

2 / fevereiro / 2015

Lavanda

“Lavender/Flower Infusion”, Jan Lamr (2014)

No cemitério das minhas certezas, jaz o Coelho da Páscoa.

Talvez ele tenha sido o primeiro defunto que sepultei, naquele longínquo jardim vazio da imaginação dos meus seis anos.

Não lembro direito. Mas não esqueço do cheiro de decepção, chocolate e coroa de flores, por sinal, enjoativo.

Hoje, o cemitério das minhas certezas está superpovoado. Impossível decorar a data de cada epitáfio. Nem os motivos das mortes.

Passeio por lá de vez em quando, levo rosas vermelhas, choro um pouquinho, acendo velas aos montes, e às vezes até acho graça.

Quase sempre esbarro em lápides estranhas: um sonho perdido, um partido político, um rapaz louro, uma noite no Baixo Leblon, uma palavra dita no ouvido.

Outro dia esbarrei numa lápide nova: “grandes amores”. Estranhei muitíssimo. Acreditei em grandes amores a vida inteira. Briguei por eles. Varei noites. Sofri e morri de prazer vez por outra. Vi acontecer com alguém, presenciei, tenho provas.

Finalmente entendi que a certeza que se foi só diz respeito às duas palavras juntas. Tenho certeza que existem grandes. Tenho certeza que existem amores. E até ainda desconfio que grandes amores existam. E, enquanto continuar desconfiando, beberei vodka, ouvirei blues, usarei lavanda, escreverei coisas diversas, acreditarei na humanidade, fecharei os olhos quando beijo, e outras coisas assim, meio bobas.

 

Tags , .

Leia mais Adriana Falcão

What a wonderful world

What a wonderful world

Existência

Existência

Da dificuldade de se amar nas cidades grandes nos dias de hoje

Da dificuldade de se amar nas cidades grandes nos dias de hoje

Bodas de ar

Bodas de ar

Comentários

2 Respostas para “O país das dúvidas

  1. Adriana Falcão !mulher genial que fala com o coração da gente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *