Notícias

Escolhida a diretora de Cinquenta tons de cinza — o filme

19 / junho / 2013

Sam Taylor-Johnson, por John Shand Kydd

A cineasta britânica Sam Taylor-Johnson (também conhecida como Sam-Taylor Wood) será a diretora de Cinquenta tons de cinza, a aguardada adaptação cinematográfica do livro de E L James. Em seu perfil do Twitter, a autora do maior sucesso editorial dos últimos tempos — que já ultrapassou a marca de 70 milhões de exemplares vendidos no mundo, sendo 3,8 milhões apenas no Brasil — comemorou: “Estou encantada e empolgada em anunciar para vocês que Sam Taylor-Johnson concordou em dirigir o filme de Cinquenta tons de cinza.”

A conceituada fotógrafa e artista plástica iniciou a carreira como diretora em 2009 com O Garoto De Liverpool (Nowhere Boy), longa-metragem sobre a juventude de John Lennon. “A habilidade única que Sam tem de retratar, com graciosidade, relações complexas que envolvem amor, emoção e atração sexual fez dela a diretora ideal para reviver a relação entre Christian e Anastasia”, afirmou o produtor Michael De Luca.

Com produção assinada por Michael De Luca e Dana Brunetti, a dupla responsável pelo premiado A Rede Social, Cinquenta tons de cinza tem roteiro de Kelly Marcel (Saving Mr. Banks). Mas o grande mistério continua: quais atores serão escolhidos para viver o intenso relacionamento de Anastasia Steele e Christian Grey na telona?

Com informações: Deadline

Leia mais Notícias

O universo fantástico de Tony DiTerlizzi

O universo fantástico de Tony DiTerlizzi

Novos pôsteres de Percy Jackson e o Mar de Monstros

Novos pôsteres de Percy Jackson e o Mar de Monstros

Jim Hopper está de volta no novo livro do universo expandido de Stranger Things

Jim Hopper está de volta no novo livro do universo expandido de Stranger Things

Mariana Enriquez vence Premio Herralde de Novela 2019

Mariana Enriquez vence Premio Herralde de Novela 2019

Comentários

Uma resposta para “Escolhida a diretora de Cinquenta tons de cinza — o filme

  1. Desculpem a grosseiria, mas “a autora do maior sucesso editorial dos últimos tempos” é demais pra mim. PFV né. Nunca, jamais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *