Notícias

A virada de Lena Haloway em Pandemônio

11 / abril / 2013

Imagine uma sociedade em que o amor é considerado uma doença fatal que, para o bem de todos, já pode ser curada pela ciência. Para tratar o amor deliria nervosa, o mais mortal dos males, o governo determina que todas as pessoas se submetam a uma intervenção cirúrgica ao completarem 18 anos. Livres do sentimento, eles passam a ter uma vida perfeita, sem surpresas ou fortes emoções. Após a cura, cada cidadão é direcionado para uma faculdade e lhe é designado um parceiro adequado que o acompanhará por toda a vida.

Esse é o cenário da série Delírio, criada por Lauren Oliver, cujo segundo livro, Pandemônio, já está à venda nas livrarias e em e-book. A protagonista, Lena Haloway, é uma jovem de 17 anos que acredita que todas essas regras impostas pelo governo contribuem para o bem-estar social e aguarda ansiosamente pelo dia de sua intervenção. Órfã, ela não vê a hora de se livrar tanto do risco de se contaminar quanto do passado que assombra sua família. No momento em que se apaixona por Alex, porém, tudo o que ela conhecia e em que acreditava desmorona.

Se em Delírio, primeiro volume da trilogia, nossa heroína aprende a amar e tem que lidar com esse novo sentimento, em Pandemônio ela precisa se transformar em alguém forte o suficiente para lutar contra um sistema cada vez mais repressor. No entanto, ela fica dividida entre as novas Lenas que surgem após atravessar a cerca. De um lado, estão as lembranças do passado — Alex e a adaptação na Selva, onde as pessoas precisam abandonar suas histórias e se reinventar para sobreviver à nova realidade. É lá que Lena conhece Graúna, “a garota de cabelo preto”; Vovô, o mais velho dali; Fê, redução de Felizarda, que perdeu um dedo devido a uma grave infecção, mas não perdeu a vida; Lupi, ou Lupino, que apareceu milagrosamente na Selva um dia, no meio de um emaranhado de arbustos e espinhos, como se tivesse sido deixado ali por lobos; Azul, a menina de olhos da cor vívida do céu; Alistar, que já tinha esse nome antes de chegar li; e Prego, que ganhou o apelido por ser um tanto… desagradável.

Do outro lado, no presente, estão as sementes de uma violenta revolução. Em Nova York, munida de documentos falsos, Lena passa a fazer parte da resistência, ao lado de outros Inválidos infiltrados no sistema. E não importa o quanto o governo tema as emoções: as faíscas da revolta, vindas de todos os lugares, incendeiam paulatinamente toda a sociedade.

Leia também:

Emma Roberts viverá Lena Haloway no piloto de Delírio para a TV
Jeanine Mason interpretará Hana em Delírio
Daren Kagasoff interpretará Alex em Delírio

Conheça a capa de Pandemônio (série Delírio)

Tags , , .

Leia mais Notícias

Boa notícia para os semideuses: disléxicos são criativos!

Boa notícia para os semideuses: disléxicos são criativos!

As cores do Holocausto

As cores do Holocausto

Jim Hopper está de volta no novo livro do universo expandido de Stranger Things

Jim Hopper está de volta no novo livro do universo expandido de Stranger Things

Mariana Enriquez vence Premio Herralde de Novela 2019

Mariana Enriquez vence Premio Herralde de Novela 2019

Comentários

2 Respostas para “A virada de Lena Haloway em Pandemônio

  1. Europe tambem!! Nao consigo emcontrar quando vai sair

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *