Notícias

Guia: O que perguntar em uma consulta médica?

26 / março / 2013

Presidente do Conselho de Genética da Agenda Global, no Fórum Econômico Mundial, David B. Agus é um dos oncologistas mais conhecidos dos Estados Unidos. Em A vida sem doenças, ele expõe sua acalorada defesa pela medicina personalizada e por uma visão sistêmica do corpo humano. Para tanto, o médico propõe diversos modelos e questionários capazes de permitir que cada um possa mapear seu bem-estar e se responsabilizar ativamente por sua própria saúde.

Disponibilizamos abaixo um dos questionários contidos em A vida sem doenças, idealizado para auxiliar na preparação para um check-up com seu médico, com dicas do que abordar durante a consulta. Confira:

Questionário de controle da saúde pessoal, por Dr. David B. Agus

• Estado geral — Como está se sentindo? Essa é comprovadamente a pergunta mais importante a se fazer. Você pode estar se sentindo ótimo hoje, mas e ontem? Quando acontecem seus momentos de abatimento? Há algum padrão? É difícil levantar da cama de manhã?

• Níveis de energia — Como você classificaria seu nível de energia em uma escala de 1 a 10? Como ele se modificou no último ano?

• Horários — Você mantém horários regulares para alimentação, exercício e sono? Seus dias seguem a mesma rotina ou variam?

• Respiração — Alguma coisa anormal a relatar? Escuta ou sente um ronco quando respira? Respirar profundamente dói? Você tosse depois de respirar fundo? Responda a essas perguntas em repouso e depois de fazer exercícios.

• Tolerância a exercícios — Quanto você consegue suportar confortavelmente? Como essa quantidade de atividade física se compara àquela praticada no ano passado? Sente alguma mudança na intensidade e nas suas sensações enquanto está em movimento? Alguma coisa dói ou parece esquisita quando você se movimenta ou faz exercício?

• Caminhada — Você caminha como sempre caminhou? Inclina-se para um lado, coisa que nunca tinha feito antes? Está mais corcunda? É difícil caminhar completamente ereto?

• Sensações — Alguma coisa incomum ou fora do normal a relatar em qualquer parte de seu corpo? Por exemplo, como está o seu olfato? Apurado como sempre? Fraco?

• Pele — Quando você examina sua pele, nu, na frente do espelho, em busca de sinais estranhos, caroços ou tumores, encontra alguma coisa? Algo mudou desde a última vez em que examinou sua pele? Suas meias deixam marcas nos tornozelos/pernas? (Se deixam, isso pode indicar que seu coração não está trabalhando adequadamente e que a circulação está estagnando em algumas regiões, o que aumenta o risco de coágulos.)

• Cabelo — Houve alguma mudança em seu cabelo, em termos de espessura, textura, crescimento/queda etc.? Você perdeu pelos nos tornozelos? Pode ser indicação de um problema circulatório, mais perceptível nos homens. Ou ao contrário, estão aparecendo pelos em lugares estranhos, como braços e rosto? Isso pode ser sinal de alterações hormonais, em especial nas mulheres.

• Unhas — Esses tecidos mortos na realidade podem dizer muita coisa. Mudaram de aparência ou de cor nos últimos tempos? Unhas manchadas podem ser sinal de determinados distúrbios, desde uma simples infecção até diabetes. Se têm um tom amarelado, está na hora de fazer um exame para diabetes. Também podem apontar os níveis de ferro. Procure um crescente esbranquiçado na base das unhas, indicação de bons níveis de ferro.

• Dedos — Suas articulações doem quando você as movimenta? Se você for mulher, seu anular é mais longo que o indicador? Se isso acontecer, você pode ter dobro de chances de sofrer de osteoartrite. Essa informação vem de um estudo de 2008, publicado no periódico Arthritis & Rheumatism, que descobriu essa estranha relação e levantou a hipótese de que anulares mais longos estão ligados a níveis mais altos de exposição à testosterona no útero. Níveis pré-natais de testosterona diminuem a concentração de estrogênio, o que é essencial para o desenvolvimento ósseo. Se você é homem e seu indicador é mais comprido que o anular, o risco de câncer de próstata cai em um terço.

• Articulações — Elas doem? Isso acontece mais pela manhã, ao se levantar, ou depois de um longo dia? O que costuma melhorar suas dores nas articulações?

• Apetite — É o mesmo de sempre? Maior? Menor? Você sente muita vontade de comer alguma coisa? Em caso positivo, o quê?

• Mamas — Se você for mulher, vê ou sente qualquer caroço, saliência ou reentrância ao fazer o autoexame de mama?

• Digestão — Alguma sensação de desconforto a relatar? Precisa usar medicamentos para digestão/estômago com regularidade (por exemplo, Sal de Frutas Eno, Pepto-Bismol, Tagamet, Antak, Lanogastro, laxantes etc.)? Se tiver sintomas, eles melhoram ou pioram depois das refeições? Você tem intolerância, sensibilidade ou alergia a determinados alimentos?

• Dores de cabeça — Sente dores de cabeça regularmente? Enxaquecas? Sabe o que deflagra essas dores? Costuma tomar com frequência analgésicos não controlados (por exemplo, Advil, Naprosyn, Tylenol, Excedrin, Aspirina etc.)?

• Alergias — Tem alguma? Suas alergias mudaram ao longo dos anos? Como?

• Sono — Dorme bem? Costuma tomar remédios para dormir de vez em quando? Acorda se sentindo descansado na maior parte das vezes? Suas horas de dormir e acordar são regulares? Seu parceiro diz que você ronca? (Apneia do sono, muitas vezes caracterizada pelo ronco, é incrivelmente comum nos dias de hoje, e sabe-se que é um fator de risco para ataques cardíacos. Por sorte, a apneia do sono pode ser tratada com bastante sucesso.)

• Dores — Sente desconforto ou dor em alguma região do corpo?

• Resfriados e gripes passageiros — Você fica doente com frequência? Quantas vezes teve febre no último ano? Quando adoece, parece que demora mais para ficar bom do que seus amigos ou parentes? Tomou vacina contra gripe neste ano?

• Humor — Seu humor é estável? Sente-se deprimido?

• Ciclo hormonal — Se for mulher, seu ciclo é regular? Está na perimenopausa ou na menopausa?

• Diagnósticos anteriores — Quais foram as doenças diagnosticadas no seu passado? Há alguma coisa com que tenha de lidar cronicamente?

• Nível de estresse — Em uma escala de 1 a 10, qual o seu nível de estresse? É crônico ou apenas ocasional? O estresse afeta seu estilo de vida? Caso esteja relacionado ao seu trabalho, você ama ou odeia o que faz? (Se por acaso amar seu trabalho apesar do estresse, você se encontra em melhor situação do que se odiasse o que faz e isso lhe provocasse estresse!)

• Peso — Está feliz com seu peso? Já tentou mudá-lo? O que aconteceu na ocasião? Tem uma barriga da qual não consegue se livrar?

• Medicações (com e sem receitas) — O que você toma, para que tipo de problemas e há quanto tempo? Isso inclui todas as vitaminas, suplementos, aditivos e medicações ocasionais (como um ou outro Tylenol ou Advil para dor de cabeça).

• Prevenções para a saúde — Está atualizado em relação a coisas como exames de rotina/check-ups, vacinas, exames (por exemplo, Papanicolaou, colonoscopia etc.) e hemogramas? Sabe quais alimentos deve consumir, levando em conta seus fatores de risco subjacentes para doenças?

• Satisfação geral — Se você tivesse de classificar como você se sente em geral em uma escala de 1 a 10, qual seria a nota? Como seria o seu boletim? O que você deseja mudar na sua vida?

Leia um trecho de A vida sem doenças

Tags , , .

Leia mais Notícias

Garota exemplar estreia em sexto lugar na lista de mais vendidos

Garota exemplar estreia em sexto lugar na lista de mais vendidos

Traduzindo (e anagramatizando!) O Teorema Katherine

Traduzindo (e anagramatizando!) O Teorema Katherine

Humanos e máquinas estão em guerra em Descender, novo quadrinho de Jeff Lemire

Humanos e máquinas estão em guerra em Descender, novo quadrinho de Jeff Lemire

Confira as fotos da sessão de autógrafos com Míriam Leitão na Bienal do Livro Rio

Confira as fotos da sessão de autógrafos com Míriam Leitão na Bienal do Livro Rio

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *