Bastidores

Uma pitada sobre Lionel Shriver

16 / julho / 2011

Por Juliana Cirne*

“Invejo você por estar em Paraty!”, disse-me Lionel Shriver na semana passada, quando eu estava na Festa Literária Internacional de Paraty e a contatei por ocasião do lançamento de seu novo livro, Dupla falta. É parte da minha rotina trocar e-mails com os nossos escritores, geralmente sob demanda de entrevistas jornalísticas. Recebê-los também está entre minhas incumbências: quando um deles vem ao Brasil, fica aos meus cuidados — é aí que sabemos com quem realmente estamos lidando. Há surpresas, boas e más. Lionel Shriver foi um presente. Acabamos de publicar seu novo livro; precisamos falar sobre ela.

Ano passado, acompanhei Lionel e o marido, o músico boa-praça Jeff, na FLIP e por alguns dias no Rio. Breve descrição (para lá de conhecida) de seu currículo: escritora norte-americana radicada em Londres, cujo sétimo romance, Precisamos falar sobre o Kevin, valeu a ela o prestigioso prêmio Orange em 2005, é considerada a nova Virgínia Woolf pela crítica literária internacional. Tem 54 anos e desde os 15 deixou de atender pelo delicado nome de Margaret Ann Shriver, registrado pelos pais religiosos. Formada e pós-graduada pela Universidade de Columbia, viveu em Nairóbi, Bangcoc e Belfast, e é colunista do jornal britânico The Guardian.

Imagine a figura: 1,60m de altura, 50kg, loura, olhos verdes e feições finas… Pensou numa pessoa fofa, coberta de joias e toda trabalhada no cor-de-rosa? Errou feio! Seu acessório mais engraçadinho é uma luva preta com setas brancas nos dedos indicadores. Lionel é austera (principalmente consigo) e simples (quase espartana). Nas primeiras horas após conhecê-la, no almoço de boas-vindas à FLIP, ouvi reclamação até sobre o fato de meu telefone não parar de tocar. Pensei que viveria um pesadelo…

Até que nos sentamos para almoçar e, sem exagero, observei-a dissecar, usando apenas o paladar, um bobó de camarão, ingrediente a ingrediente, modo de preparo, tudo. Acontece que Lionel Shriver é cozinheira de forno e fogão! O fato talvez não seja tão novo para quem leu atentamente O mundo pós-aniversário, em que a protagonista, Irina, tem o hábito de cozinhar para o marido. Bem, o livro é ficção, mas muito inspirado na vida da autora. Ela aliás já declarou que escreve para refletir sobre suas questões — Kevin trata de seus fantasmas sobre a maternidade; Dupla falta, de sua imensa competitividade; o próximo, que ainda está escrevendo, reflete sobre a obesidade, problema de saúde que matou seu irmão mais querido no final de 2009.

Reconhecida por desnudar seus personagens diante dos leitores com incursões psicológicas que revelam sentimentos inconfessáveis, Lionel esmiuçou e acertou os ingredientes de todas as comidas brasileiras que provou: bobó, moqueca, pão de queijo, farofa — apelidada carinhosamente de eatable sand. O fascínio da escritora por comida é tamanho que ela carrega o próprio pote de pimenta-calabresa na bolsa! Por isso, presenteamos o casal com comestíveis, desde vários tipos de pimentas (sua fixação) até camarão defumado e muitos sacos de farinha de mandioca, que ela sabiamente deduziu ser a base da nossa alimentação, tal qual o milho é nos Estados Unidos.

Entre um compromisso e outro, conversamos sobre literatura, educação, história e política. Ficamos amigas. Ela me deixou uma lembrança: um pingente de pimenta-malagueta, que ostento orgulhosamente. Dei a ela um livro — nunca vi ninguém tão feliz ao receber de presente um livro de receitas.

 

* Gerente de Comunicação da Intrínseca.

Leia mais Bastidores

Sol da meia-noite: Como nasce um lançamento simultâneo

Sol da meia-noite: Como nasce um lançamento simultâneo

Uma visita ao anexo secreto de Anne Frank

Uma visita ao anexo secreto de Anne Frank

Comentários

10 Respostas para “Uma pitada sobre Lionel Shriver

  1. Eu simplesmente adoro essa autora, o primeiro livro que li foi “Precisamos falar sobre o Kevin” e pra mim foi uma surpresa maravilhosa. Me entreguei por completo a essa história, e hoje sou fã dessa autora. Meus parabéns por chegar tão pertinho dela, fico contente por você! Espero um dia ter a mesma chance. =)

    Beijinhos e ótima matéria!

    Priscilla Paiva

  2. Vou ler Precisamos falar sobre o Kevin.

  3. Precisava comentar aqui o quanto gostei dessa matéria, Juliana. Vi há pouco tempo no site do The Guardian, senão me engano, uma foto de Lionel na cozinha, com vários temperos atrás dela e todas aquelas especiarias picantes que nós, pessoas de bom garfo, gostamos tanto. Também quero um pingente de pimenta-malagueta, preciso ficar amigo dela. haha 🙂

    Lionel parece realmente extraordinária, espero que a Intrínseca lance toda a sua obra no Brasil. “Dupla Falta” está aqui nas minhas mãos, será um prazer quase gastronômico resenhá-lo.

    Um abraço!

  4. Olá,
    Dizer que gostei muito, muito, mesmo, dos livros que já li — Precisamos Falar Sobre o Kevin e O mundo pós aniversario — é pouco. Já comprei Dupla Falta e aproveito para pedir encarecidamente que traduzam e publiquem os demais livros de Lionel, com certeza serei a primeira a adquiri-los.
    Obrigada! Estou esperando aqui no Rio Grande do Sul!

  5. Sou leitora ávida de todos os livros lançados por essa autora brilhante. Já estou devorando Tempo é Dinheiro. Muito bom, como sempre.

  6. Gosto muito dessa autora, seu estilo, sua precisão avaliativa – e vemos isso nos seus livros. Enfim, uma pessoa genial.

  7. Essa escritora é fantástica! Espero que a intrínseca tenha mais projeto dela para ser lançado! Fico na torcida!

  8. Coloco Lionel Shriver como uma das maiores autores nos dias de hoje ao lado de Khaled Hosseini e Xinran.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *