Sem categoria

O mundo e o desafio da economia global

7 / fevereiro / 2011

Nouriel Roubini no Fórum Econômico Mundial 2011, em Davos, Suíça.

O Senhor Apocalipse ataca novamente. Conhecido assim por seus pares e na imprensa internacional, o professor da Universidade de Nova York, Nouriel Roubini, famoso por traçar cenários nada animadores para a economia do planeta, foi um dos destaques do Fórum Econômico Mundial realizado em Davos, na Suíça. Com suas projeções e análises, Roubini desafia pela precisão de diagnósticos e, na Suíça, falou para um auditório lotado e afirmou que apesar de haver sinais de recuperação da grave crise vivida no final da primeira década dos anos 2000, ainda há muitas incertezas a serem consideradas. Basta ver a situação pela qual passam muitos países europeus e a ameaça de calote a seus credores.

Roubini comparou a economia global da atualidade a um “copo meio cheio, meio vazio”. A afirmação foi publicada nos principais jornais do mundo, como no inglês The Guardian e na Folha de S. Paulo. Ou seja, se de um lado há franca expansão e mercados aquecidos em países como Brasil, China e outras nações ditas emergentes, de outra parte, nos países desenvolvidos os passos são dados com cautela e apreensão.

Em seu livro, A Economia das Crises, lançado pela Intrínseca e best-seller em todo o mundo, Roubini antecipou tendências e escreveu: “Quando a crise financeira se instala, o mundo inteiro é o palco”. Com rigor, ele tratou no livro das etapas do gigantesco abalo econômico vivido pelo mundo em 2008/2009 e lançou luz sobre o futuro mais imediato. “As maiores crises raramente respeitam fronteiras nacionais. Podem começar em qualquer parte do mundo, mas têm o hábito de se tornar globais, à medida que os problemas de um país se espalham por meio de canais – commodities, moedas, investimentos, derivativos e comércio – para outros países”.

Em Davos, Roubini confirmou a ocorrência do que já tinha escrito e antecipado, lembrando, por exemplo, como o crescente aumento dos preços de petróleo, energia e alimentos hoje representa uma severa ameaça à estabilidade financeira e política do mundo. Para ele, com preços nas alturas, a crise passa a ser muito mais do que uma sequência de falências de bancos e outras instituições financeiras. Na opinião do professor norte-americano, “as crises não podem ser curadas pelo colapso ou pelo salvamento de apenas um banco, ou mesmo pela implosão de parte do mercado financeiro”. O professor fala em seu livro da dificuldade de balizar as ações dos agentes controladores do sistema financeiro mundial e da falta de ferramentas para lidar com atividades especulativas e, em Davos, voltou a frisar este ponto.

A leitura de A Economia das Crises ajuda na compreensão do cenário atual e permite vislumbrar com alguma clareza o que é possível esperar do futuro financeiro global, bem como o que vai muito além dele e pesa diretamente no bolso de cada um de nós, no dia a dia de consumo de bens e alimentos. O Fórum Econômico Mundial completa 40 anos de realização em 2011. Já recebeu  personalidades dos mais diferentes segmentos, de Bono Vox a Bill Gates, passando por chefes de governo, representantes das principais organizações de comércio mundial, banqueiros etc. O evento fez história e, como disse seu criador, o economista alemão Klaus Schwab, em entrevista no site oficial do Fórum, nunca o mundo se viu diante da necessidade de discutir questões tão complexas e enfrentar tantos desafios ao mesmo tempo. Roubini, com seu faro econômico e rara capacidade de antevisão de crises, que o diga.

Leia mais Sem categoria

Confira a capa do novo livro de Stranger Things, Cidade nas trevas

Confira a capa do novo livro de Stranger Things, Cidade nas trevas

HBO divulga data de estreia de Pátria, sua primeira série espanhola

HBO divulga data de estreia de Pátria, sua primeira série espanhola

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *