Encontro de fãs de “A química” em Brasília

A editora Intrínseca e os fãs de Stephenie Meyer convidam para o bate-papo de A química em Brasília. O evento será realizado no dia 21/01, às 17h, na FNAC do ParkShopping Brasília.

A química é o thriller inédito da autora de “Crepúsculo” e relata a história de uma ex-agente especial fugindo de seus antigos empregadores. Ela precisa aceitar um novo caso para limpar seu nome e salvar a própria vida.

a-quimica-chegada-de-grafica-quad

Encontro de fãs de “A química” em Belo Horizonte

A editora Intrínseca e os fãs de Stephenie Meyer convidam para o bate-papo de A química em Belo Horizonte. O evento será realizado no dia 21/01, às 17h, na FNAC do BH Shopping.

A química é o thriller inédito da autora de “Crepúsculo” e relata a história de uma ex-agente especial fugindo de seus antigos empregadores. Ela precisa aceitar um novo caso para limpar seu nome e salvar a própria vida.

a-quimica-chegada-de-grafica-quad

A expectativa sobre o livro inédito de Stephenie Meyer

a-quimica-chegada-de-grafica-o

A química, obra inteiramente inédita de Stephenie Meyer, será lançada em 15 de novembro e  marca o retorno dos livros da autora voltados para o público adulto depois de seis anos. O livro conta a história de uma ex-agente especial do governo que vive fugindo de seus antigos empregadores e agora precisa aceitar um novo trabalho para limpar seu nome e salvar a própria vida.

Para saber quais são as expectativas, perguntamos aos nossos blogueiros parceiros e leitores o que eles estão pensando:

Laura Brand, do blog Nostalgia Cinza:

Crepúsculo fez parte da minha vida de leitora de um jeito absurdo. Foi a primeira saga que me fez esperar ansiosamente pelos lançamentos. Como leitora, me marcou muito e ainda não tive a chance de ler outras narrativas da autora. Estou muito curiosa para ler A química porque sei que é um livro voltado para o público adulto e acho que vai ser uma experiência incrível ver como as histórias da Stephenie Meyer cresceram assim como eu. Achei a premissa bem interessante e estou muito curiosa para saber o que A química guarda para os antigos e os novos leitores.”

giphy

 ‏@foxwithsocks 

 Vou ler, pois sou bem fanzoca mesmo, né? <3

Cinesia Geek:

“Eu gostei de crescer lendo, mas sempre estive cercada pelas obras brasileiras. O máximo de literatura estrangeira que tinha lido antes das obras de Stephenie Meyer foram os dois primeiros livros de Harry Potter. A combinação de J. K. Rowling e Stephenie Meyer me ensinou a procurar por mais livros, além de enredos diferentes, e juntas elas me ensinaram a me interessar mais por ficção e por fantasia. Depois de seis anos, estou esperando uma obra de qualidade e suspense que me leve à beira de um precipício de ansiedade literária sem quebrar o prazer de ler. Provavelmente um novo clássico do gênero.”

@kessiagn
Eita! Tia Steph demorou, mas parece que vai voltar lacrando!

giphy-1

Cabana do leitor:

Crepúsculo foi o meu primeiro contato com a literatura. Quando me vi estava arrebatada. Estava no colegial e tinha um amigo que não largava o livro e só falava sobre ele. De tanto ele comentar, acabei me rendendo e pedi que me emprestasse. Foi algo muito legal, pois debatíamos constantemente sobre a obra. Desse modo, posso dizer com toda a certeza que Stephenie Meyer tem um lugar muito especial no meu coração. Gostei muito de A hospedeira também (até mais que os anteriores cof cof). Estou aguardando ansiosamente por A química! Adorei a premissa e surtei quando vocês falaram que iriam publicar no Brasil. É um gênero totalmente novo, e esta obra só mostrará aos leitores que a autora é poderosa e pode escrever sobre o que quiser. Espero que seja um sucesso e que venha mais uma adaptação!”

Irving Thaygo:
Já tenho lugar reservado na minha estante pra essa belezinha aí!

Lançamentos de Novembro

estanteintrinseca_novembro16_blog

Confira as sinopses e trechos dos livros que publicaremos neste mês:

A química, de Stephenie Meyer: Uma ex-agente especial fugindo de seus antigos empregadores precisa aceitar um novo trabalho para limpar seu nome e salvar a própria vida. A química, o primeiro lançamento inteiramente inédito da autora em seis anos, é um thriller diferente de tudo o que ela já publicou. [Leia +][Leia um trecho]

estanteintrinseca_novembro16_blog_paginasinternas

Não se enrola, não, de Isabela Freiras: “Enrolar-se: pensar de um jeito e fazer exatamente o contrário”. Após Não se apega, não e a sequência, Não se iluda, não, Isabela Freitas mostra em seu terceiro livro os primeiros passos de seus personagens na vida adulta, com toda a independência e as responsabilidades que ela proporciona. [Leia +][Leia um trecho]

estanteintrinseca_novembro16_blog_paginasinternas4

O lar da srta. Peregrine para crianças peculiares, de Ransom Riggs: Jacob cresceu ouvindo as histórias fantásticas que o avô contava. Essas histórias foram perdendo o encanto à medida que ele crescia, até que, aos dezesseis anos, tudo volta à tona para se provar real. O primeiro livro da série chega agora às livrarias em edição de luxo. [Leia +][Leia um trecho]estanteintrinseca_novembro16_blog_paginasinternas8

O som do amor, de Jojo Moyes: um romance sobre obsessão, manipulação, segredos e paixões, O som do amor é um dos primeiros livros escritos pela autora do best-seller Como eu era antes de você. Por meio de personagens carismáticos e capazes de tudo para realizar seus objetivos, Moyes mantém seu estilo inconfundível em uma brilhante história sobre recomeços. [Leia +][Leia um trecho]

estanteintrinseca_novembro16_blog_paginasinternas5

Enquanto houver champanhe, há esperança: Uma biografia de Zózimo Barrozo do Amaral, de Joaquim Ferreira dos Santos: Por quase trinta anos a sociedade brasileira foi desnudada pela escrita espirituosa do jornalista Zózimo Barrozo do Amaral em sua coluna diária no Jornal do Brasil e depois em O Globo. Joaquim Ferreira dos Santos reconstitui toda a trajetória do colunista, desde sua infância, passando por seu começo de carreira quase acidental no jornalismo, até conquistar uma coluna assinada aos vinte e sete anos. [Leia +][Leia um trecho]

estanteintrinseca_novembro16_blog_paginasinternas7

História da sua vida e outros contos, de Ted Chiang: Ícone da ficção científica contemporânea é publicado pela primeira vez no Brasil em coletânea que inclui o conto que inspirou o filme A Chegada. Com apenas quinze trabalhos publicados, entre contos e novelas curtas, sua pequena produção contrasta com expressiva quantidade de premiações: os oito textos reunidos em História da sua vida e outros contos ganharam no total nove importantes prêmios, dentre eles Nebula, Hugo, Locus, Sturgeon, Sidewise e Seiun. [Leia +][Leia um trecho]

estanteintrinseca_novembro16_blog_paginasinternas3

O cérebro adolescente, de Dra. Frances E. Jensen com Amy Ellis Nutt: Por muitos anos, cientistas acreditaram que o cérebro adolescente era essencialmente como o de um adulto, apenas com menos experiência. Na última década, porém, neurologia e neurociência revelaram que nos anos da adolescência acontecem estágios vitais de desenvolvimento cerebral. Um livro acessível e bem embasado que lança um novo olhar sobre o cérebro dos jovens. [Leia +][Leia um trecho]

estanteintrinseca_novembro16_blog_paginasinternas2

Unidos somos um, de Pittacus Lore: O aguardado desfecho da série Os Legados de Lorien, repleto de surpresas e reviravoltas de tirar o fôlego. A guerra entre a Garde e os mogadorianos, que por tanto tempo ocorreu em segredo, tornou-se um conflito global. Agora, os humanos precisam aceitar não só que alienígenas existem, mas também que terráqueos estão começando a manifestar poderes sobrenaturais. [Leia +][Leia um trecho]

estanteintrinseca_novembro16_blog_paginasinternas6

Leia um trecho exclusivo de “A química”, de Stephenie Meyer

quimicacapa

A espera está acabando! Em apenas quinze dias, os leitores poderão ler o primeiro romance inteiramente inédito da autora da série Crepúsculo desde A hospedeira. Em A química, acompanhamos uma ex-agente do governo que está cansada de fugir de seus antigos empregadores, até que um ex-colega entra em contato com a promessa de liberdade que ela tanto espera.

Leia um trecho exclusivo da obra abaixo:

 

“Do outro lado da rua ficava o restaurante onde Carston costumava almoçar. Não era o local de encontro que ela havia sugerido. Ela também estava cinco dias adiantada.

Aproximou-se por trás, tomando o mesmo caminho que ele percorrera alguns minutos antes. A comida havia chegado — sanduíche de frango à parmegiana —, e ele parecia completamente concentrado em degustá-la. Mas ela sabia que Carston era melhor do que ela em aparentar algo que não era.

Sem alarde, ela se deixou cair na cadeira do outro lado da mesa. A boca de Carston estava cheia quando ele levantou o olhar.

Ela sabia que Carston era um bom ator e presumiu que ele encobriria sua verdadeira reação e exibiria a emoção que quisesse antes que ela pudesse capturar a primeira. Como ele não demonstrou nenhuma surpresa, ela chegou à conclusão de que fora apanhado totalmente desprevenido. Se ele estivesse esperando por ela, teria agido como se aquela aparição súbita o tivesse chocado. Mas o olhar firme do outro lado da mesa, os olhos que não se arregalaram, o mastigar metódico — isso era Carston controlando sua surpresa. Ela tinha quase oitenta por cento de certeza.

Ela não disse nada. Apenas retribuiu o olhar inexpressivo enquanto ele terminava de mastigar o naco do sanduíche.

— Imagino que teria sido fácil demais se simplesmente nos encontrássemos conforme o planejado — disse ele.

— Fácil demais para o seu atirador, sem dúvida. — Ela proferiu as palavras de modo suave, usando o mesmo tom de voz que ele. Qualquer pessoa que ouvisse a conversa por acaso pensaria que se tratava de uma piada. Mas, nas duas outras mesas ocupadas, todos conversavam e riam alto, e os pedestres que passavam nas calçadas tinham os ouvidos tapados por fones de ouvido ou telefones. Ninguém se importava com o que ela estava falando, exceto Carston.

— Isso nunca veio de mim, Juliana. Você deve saber disso.

Foi a vez dela de não demonstrar surpresa. Fazia tanto tempo desde que alguém se dirigira a ela por seu nome verdadeiro que ele passara a soar como o nome de uma estranha. Após o choque inicial, uma suave onda de prazer emergiu. Era bom que o nome dela soasse estranho aos seus ouvidos — significava que ela estava agindo corretamente.

Os olhos de Carston piscaram ao ver a evidente peruca. Na verdade, era bem parecida com o cabelo verdadeiro dela, mas agora ele suspeitava que ela estivesse escondendo algo bem diferente. Em seguida, ele se forçou a voltar a olhá-la nos olhos. Esperou por uma resposta durante mais um instante. Diante do silêncio dela, porém, continuou a falar, escolhendo as palavras com cautela.

— Os, ahn, grupos que decidiram que você deveria… se aposentar acabaram… caindo em desgraça. Nunca foi uma decisão popular, para começo de conversa, e agora aqueles de nós que sempre discordaram deles, como eu, não são mais comandados por aqueles grupos. — Podia ser verdade. Era provável que não fosse. Ele respondeu ao ceticismo estampado nos olhos dela: — Você passou por alguma… perturbação desagradável nos últimos nove meses?

— E aqui estava eu pensando que tinha ficado melhor do que você nessa brincadeira de esconde-esconde.

— Acabou, Julie. O poder foi sobrepujado pela justiça.

— Adoro um final feliz.

Sarcasmo puro.

Ele piscou, magoado pelo sarcasmo. Ou fingindo estar magoado.

— Não tão feliz assim — falou, lentamente. — Um final feliz significaria que eu não teria entrado em contato com você. Você teria sido deixada em paz pelo resto da vida. E teria sido uma longa vida, pelo menos no que estivesse ao nosso alcance.

Ela assentiu, como se acreditasse. No passado, sempre presumira que Carston era exatamente o que aparentava. Ele havia sido o rosto dos mocinhos por muito tempo. Agora, tentar decifrar o que cada palavra significava de fato chegava a ser uma diversão esquisita, como um jogo.

Exceto pelo fato de que havia aquela vozinha que perguntava: E se não for um jogo? E se agora for verdade… se eu puder me libertar?

— Você era a melhor, Juliana.

— O Dr. Barnaby era o melhor.

— Sei que você não vai querer ouvir isso, mas ele nunca teve o seu talento.

— Obrigada. — Ele ergueu as sobrancelhas. — Não pelo elogio. Obrigada por não tentar me dizer que a morte dele foi um acidente — explicou ela, tudo isso ainda em um tom descontraído.

— Foi uma decisão errada motivada pela paranoia e pela deslealdade. Uma pessoa capaz de se livrar do próprio parceiro por interesse sempre acha que o parceiro planeja o mesmo. Gente desonesta não acredita que exista gente honesta.

Ela manteve o rosto impassível como pedra enquanto ele falava.

Nos três anos de fuga constante, ela nunca repassara um único segredo de que tivesse conhecimento. Nem uma única vez dera a quem estivesse atrás dela qualquer motivo para considerá-la uma traidora. Mesmo quando tentaram matá-la, ela permaneceu leal. E isso não tinha sido levado em conta pelo seu departamento, de jeito nenhum.

Não havia muita coisa que eles levassem em conta. Ela divagou por um instante recordando como tinha chegado perto daquilo que procurava, o ponto que ela poderia ter atingido em sua linha de pesquisa e criação mais premente se não tivesse sido interrompida. Aparentemente, aquele projeto também não tinha sido levado em conta.

— Mas quem se deu mal foram eles, aqueles traidores — continuou Carston. — Porque nunca encontramos ninguém tão bom quanto você. Que inferno, nunca encontramos ninguém com a metade do talento do Barnaby. Fico impressionado com a capacidade que as pessoas têm de esquecer o fato de que talento genuíno é um bem limitado.

Ele fez uma pausa, claramente na expectativa de que ela falasse, pedisse algo, traísse algum sinal de interesse. Ela apenas o encarou educadamente, da maneira como alguém olharia para um estranho passando suas compras em uma caixa registradora.

Ele soltou um suspiro e depois se inclinou, com uma súbita intensidade.

— Temos um problema. Precisamos do tipo de resposta que só você pode nos dar. Não temos mais ninguém que possa fazer esse trabalho. E nós não podemos arruinar esse trabalho.

— Vocês, não nós — disse ela.

— Sei que você não é assim, Juliana. Você se importa com pessoas inocentes.

— Eu me importava. Pode-se dizer que essa parte de mim foi assassinada.

Carston se retraiu de novo.

— Juliana, sinto muito. Sempre senti muito por tudo isso. Tentei detê-los. Fiquei muito aliviado quando você escorregou por entre os dedos deles. Toda vez que você escorregou por entre os dedos deles.

Ela não pôde deixar de ficar impressionada com o fato de ele admitir tudo. Sem negações, sem desculpas. Nada do tipo Foi apenas um acidente infeliz no laboratório, como ela esperava. Nada de Não fomos nós; foram os inimigos do governo. Nenhuma história, apenas reconhecimento.

E agora todo mundo sente muito. — A voz dele baixou, e ela teve que se esforçar para entender as palavras. — Porque não temos você, Juliana, e pessoas vão morrer. Milhares de pessoas. Centenas de milhares.

Dessa vez ele esperou enquanto ela refletia.

Ela também falou baixo, mas se assegurou de não transparecer interesse ou emoção na voz.

— Estamos falando do pior, não é?

Um suspiro.

Nada estimulava tanto o departamento quanto o terrorismo. Ela tinha sido recrutada antes que a poeira emocional baixasse completamente em torno do buraco onde as Torres Gêmeas ficavam. A prevenção ao terrorismo sempre tinha sido o principal componente do trabalho dela, a melhor justificativa para ele. A ameaça do terrorismo também fora manipulada, transformada e distorcida, até que, no final, ela havia perdido grande parte da crença na ideia de que estava de fato cumprindo o papel de uma patriota.

— E um grande dispositivo — disse ela, afirmando, não perguntando.

O maior bicho-papão era sempre este: que alguém que odiava os Estados Unidos conseguisse pôr as mãos em alguma coisa nuclear. Essa era a nuvem escura que escondia a profissão dela dos olhos do mundo, que a tornava tão indispensável, por mais que o cidadão comum preferisse pensar que ela não existia.

E acontecera, mais de uma vez. Gente como ela havia evitado que tais situações se transformassem em tragédias humanas de grandes proporções. Havia um mecanismo de compensação. Horror em baixa escala contra carnificina por atacado.

Carston balançou a cabeça, e de repente seus olhos claros demonstraram medo. Ela não conseguiu controlar um ligeiro tremor interno quando percebeu do que se tratava. Havia somente dois tipos de medo daquela magnitude.

É biológico. Ela não enunciou as palavras, só mexeu os lábios.

A expressão sombria de Carston serviu como resposta.

Ela baixou os olhos por um instante, repassando todas as respostas dele e reduzindo-as a duas colunas, duas listas de possibilidades em sua cabeça. Coluna um: Carston era um mentiroso talentoso que estava dizendo coisas que pensava que a motivariam a visitar um lugar onde as pessoas estavam muito bem preparadas para descartar Juliana Fortis para sempre. Ele estava dançando conforme a música, tocando nos pontos mais sensíveis de Juliana.

Coluna dois: Alguém tinha uma arma biológica de destruição em massa e as autoridades competentes não sabiam onde ela estaria nem quando seria usada. Mas conheciam alguém que sabia.

A vaidade recebeu um certo peso, fazendo a balança pender ligeiramente para um dos lados. Ela sabia que era boa. Era verdade que eles provavelmente não tinham encontrado alguém melhor.

Ainda assim, ela apostaria na coluna um.

— Jules, não quero ver você morta — disse ele com calma, imaginando o que passava pela cabeça dela. — Eu não teria entrado em contato com você se quisesse. Eu não ia querer me encontrar com você. Porque tenho certeza de que, neste exato momento, você dispõe de pelo menos seis maneiras de me matar e de todos os pretextos do mundo para usar uma delas.

— Você realmente acha que eu viria com apenas seis? — perguntou ela.

Ele franziu a testa nervosamente por um segundo, depois decidiu rir.

— Exato. Não tenho desejo de matar, Jules. Estou sendo franco.

Ele retomou a voz descontraída.

— Eu preferiria que você me chamasse de Dra. Fortis. Acho que já passamos da fase dos apelidos.

Ele fez uma expressão magoada.

— Não estou pedindo que me perdoe. Eu devia ter feito mais — disse ele. Ela aquiesceu, apesar de, mais uma vez, não estar concordando com ele apenas mantendo a conversa. — Estou pedindo que você me ajude. Não, não a mim. Ajude as pessoas inocentes que vão morrer se você não ajudar.

— Se elas morrerem, não vai ser por culpa minha.

— Sei disso, Ju… Doutora. Será culpa minha. Mas, na verdade, essas pessoas não vão se preocupar em apontar culpados. Estarão todas mortas.

Ela manteve o olhar fixo nele. Não seria ela a piscar.

A expressão dele mudou para algo mais sombrio.

— Você gostaria de ouvir o que vai acontecer com essas pessoas?

— Não.

— Talvez seja demais até mesmo para o seu estômago.

— Duvido muito. Mas não importa. O que poderia acontecer é secundário.

— Queria saber o que é mais importante do que centenas de milhares de vidas.

— Isto vai parecer terrivelmente egoísta, mas, para mim, o fato de respirar tem meio que sobrepujado qualquer outra coisa.

— Você não poderá nos ajudar se morrer — disse Carston, objetivamente. — A lição foi aprendida. Esta não será a última vez que vamos precisar de você. Não vamos cometer o mesmo erro de novo.

Ela detestava admitir, mas a balança estava começando a pender ainda mais para um dos lados. O que Carston dizia fazia sentido mesmo. Ela certamente conhecia mudanças de diretrizes. E se fosse tudo verdade? Ela podia se fazer de fria, mas Carston a conhecia bem. Ela teria dificuldades em permitir um desastre dessa magnitude se pensasse que havia uma chance de fazer algo. Tinha sido assim que, no começo, eles a haviam atraído para a pior profissão do mundo.”