Crepúsculo / Introdução – Edição com Capa do Filme

Fórum de discussão oficial

Você não está logado.

  • Índice
  •  » Livro
  •  » Introdução – Edição com Capa do Filme

#1 09-06-2012 19:18:27

gayforRobsten
Membro
Cadastrado: 09-06-2012
Posts: 1

Introdução – Edição com Capa do Filme

edição especial com a capa do filme está previsto para ser lançada nos Estados Unidos no dia 08 de janeiro de 2013!!! a edição contará ainda com uma introdução sobre as almas escrita pela própria Steph.

Uma sociedade extraterrestre de formas de vida (que teve muitos nomes em muitos planetas) começou a assistir a Terra décadas atrás. Nosso planeta foi apenas o décimo primeiro que eles descobriram que acolhia vida inteligente. Os seres humanos foram meticulosamente estudados em segredo, e duas conclusões foram alcançadas: em primeiro lugar, que o nosso mundo era lindo e desejável e, segundo, que não éramos suficientemente calmos ou morais o suficiente para se tentar conviver. Lógicas que haviam sido feitas em outros planetas foram feitas de novo: nós éramos muito destrutivos; nós colocamos nosso planeta e até mesmo nós em perigo através de nossos modos irresponsáveis; eventualmente, se fosse deixado a nós mesmos, iríamos destruir mais do que era belo em nosso mundo. Essas formas de vida decidiram que poderiam fazer ainda melhor. Os alienígenas eram pequenos, apenas alguns centímetros excluindo as antenas, e com certa forma parasitária. Eles poderiam criar vínculo com outras formas de vida, preservando os corpos, mas substituindo a inteligência. Eles vieram para a superfície da Terra em outros corpos emprestados e começou a aquisição rápida, tranquila e muito eficiente. Durante muito tempo, ninguém percebeu.

Não havia muito para notar. Seu vizinho era exatamente o mesmo, falava com a mesma voz, lembrava-se de todas as suas piadas e interações passadas. Se havia alguma coisa diferente, seria apenas que ele era mais agradável do que antes. Não haveria nenhuma sensação de mau agouro, não houve indícios ameaçadores, nenhuma razão para recusar seu amável convite para um churrasco em sua casa, ou brincar com os filhos, ou um copo de vinho, ou qualquer outra forma de oferta que poderia ser feita. Sua visita não iria durar mais que o esperado, e ninguém notaria a mudança em você quando você voltasse para casa naquela noite, a menos que eles achassem que você estava em um clima particularmente agradável. Quando você convidasse outro amigo em sua casa em algum outro pretexto, ele ou ela aceitaria, e o ciclo continuaria silencioso e eficiente.

Foi somente mais tarde, quando os alienígenas (que se chamavam “almas” em comunidades de língua inglesa) começaram a se sentir confortáveis no seu novo mundo e se comportavam mais como eles mesmos – isto é, mais pacíficos e agradáveis e éticos do que os seres humanos jamais foram capazes de ser, que os últimos sobreviventes remanescentes da raça humana começaram a perceber que algo estava errado. Por aí havia poucas opções para eles. Alguns lutaram, tentaram montar revoltas. Eles foram capazes de matar muitas almas, mas nunca o suficiente para fazer algum dano real. Eles estavam tão em minoria que, assim que chamaram a atenção para si mesmos, eles foram facilmente dominados e integrados na sociedade das almas. Outros se suicidaram em vez de aceitar o mesmo destino. E uns poucos se esconderam; eles foram os que mais tempo sobreviveram.

Como as almas caçando estes últimos humanos remanescentes, eles descobriram uma variável que nunca tinham encontrado antes. Os seres humanos que estavam cientes do que estava acontecendo com eles não desapareciam imediatamente após o alienígena ser implantado dentro deles. Sua inteligência hesitava, lutando pelo controle do corpo e da mente. Essas revoltas eram mais difíceis de derrubar do que o tipo físico, mas ao longo do tempo, mesmo a mais obstinada das mentes humanas sucumbiu. Às vezes, a experiência era muito dolorosa para uma alma individual, e ela era transferida para um hospedeiro compatível. O corpo resistente seria terminado sem sofrimento.

Quando tal caso era descoberto, à alma aflita seria oferecido todo tipo de ajuda e apoio de sua comunidade. No entanto, ninguém iria forçar a alma a sair do corpo problemático contra a sua vontade. Só se fosse descoberto que o hospedeiro, de alguma forma, ganhou a luta que medidas drásticas seriam tomadas.

Depois de um tempo, as almas começaram a debater – da maneira mais cortês possível – a sensatez de usar esses corpos resistentes como hospedeiros. Talvez o perigo fosse grande demais. Foi decidido, porém, que os benefícios superavam as dificuldades. Afinal, preservados nestes hospedeiros humanos existiam memórias de outros seres humanos escondidos. Esses seres humanos escondidos eram violentos e selvagens. A única maneira de criar total segurança neste mundo era encontrar todos os seres humanos deixados. Os corpos capturados tinham uma informação vital para desbloquear.

E assim se tornou o protocolo de procurar entre uma civilização muito homogênea as almas mais corajosas e mais fortes para a implantação nesses organismos resistentes. Uma dessas almas, que tinha vivido em mais planetas que a maioria e, portanto, considerada mais aventureira do que a maioria, foi implantada no corpo de um ser humano de 20 anos capturado chamada Melanie Stryder. Devido a suas viagens anteriores, esta alma tomou o nome de Peregrina. Peregrina foi assistida e apoiada através dessa experiência traumática. Aqueles que tiveram a tarefa de caçar os humanos selvagens, chamados Buscadores, trabalharam de perto com ela para desbloquear as informações na cabeça de Melanie. Eles esperavam que isso pudesse ser difícil e demorado, e é claro que esperaram com uma paciência perfeita Peregrina realizar a tarefa. O que eles não esperavam era que as memórias de Melanie afetariam tanto Peregrina. Nem eles esperaram que Peregrina e Melanie iriam começar a trabalhar juntas.

Há somente uma coisa que uma alma pacífica e virtuosa daria mais valor do que a harmonia e a comunidade, e isso é o amor.

Offline

 
  • Índice
  •  » Livro
  •  » Introdução – Edição com Capa do Filme

Rodapé do fórum

Powered by PunBB
© Copyright 2002–2005 Rickard Andersson