Listas

5 dicas para não se apegar

4 / outubro / 2017

Se você já sofreu por amor (ou aquele quase amor), sabe como é difícil sair da fossa que te atinge após a desilusão. Depois de tantas lágrimas, chocolates e filmes românticos, precisamos nos reerguer e remendar nós mesmos nossos coraçõezinhos. Para te ajudar, consultamos a bíblia da superação, Não se apega, não, de Isabela Freitas, e separamos algumas dicas que vão te guiar nessa fase.

1 – Aprenda a ser feliz sozinho.

 

Quando você aprende a ser feliz sozinho, não precisa de outra pessoa.  Ao amar cada pedacinho do seu ser, você acaba se tornando perfeita para si e, consequentemente, para o mundo.

 

 2 – Não tenha medo de desistir.

Desistir não é sinal de fracasso, não, viu? Desistir é ter consciência de que algumas pessoas não valem seu esforço. Se não há reciprocidade, sai fora!

 

3 – Não alimente mágoas.

A vida é muito curta para alimentar sentimentos negativos. Perdoe e siga em frente. Você está melhor sem aquilo que te faz mal. É preciso desapegar, ou seja, se desprender de tudo aquilo que te retém, faz mal e sufoca.

 

4- Se deixe chorar.

Ninguém precisa ser forte o tempo inteiro. Chore. De raiva, de amor, de saudade. Lágrimas são pedaços de sentimentos se esvaindo de nós. Nosso corpo às vezes não suporta tanto.

 

5 – Errar faz parte da vida.

Você pode estar em um momento difícil agora, mas não se preocupe, nenhuma tristeza é tão eterna que não deixa um espacinho para a felicidade. Precisamos aceitar que erramos para seguir em frente.

 

Se essas dicas ainda não foram suficientes, abra o Não se apega, não, pegue seu caderninho e anote todas as lições para praticar o amor-próprio.

Leia mais Listas

As lições de Não se apega, não e Não se iluda, não

As lições de Não se apega, não e Não se iluda, não

9 dicas para não se enrolar em 2017

9 dicas para não se enrolar em 2017

5 fatos sobre Leonardo da Vinci que você não sabia

5 fatos sobre Leonardo da Vinci que você não sabia

Os piores pirralhos da Intrínseca

Os piores pirralhos da Intrínseca

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *