Artigos

Não confie em ninguém

7 / agosto / 2017

Sarah Pinborough edifica um suspense conduzido por personagens escorregadios até um desfecho imprevisto e perturbador.

Por André de Leones*

 

Vou confessar uma coisa para vocês: não é nada fácil escrever sobre um livro como Por trás de seus olhos. É que existe essa ameaça constante de incorrer em spoilers, a empreitada se transforma em um passeio por um campo minado e a qualquer momento este texto pode ir pelos ares, despedaçado por uma revelação tão inadvertida quanto indesejada. Assim, prometo que tomarei bastante cuidado. Se alguém aí ouvir um clique, sugiro que feche o navegador, saia correndo para a livraria mais próxima e compre um exemplar. É a melhor forma de se proteger.

Com esse espírito sobressaltado, primeiro discorrerei sobre a maneira como a autora Sarah Pinborough estruturou seu suspense psicológico (adiantando que poderia me referir a ele de uma maneira mais acurada, mas até mesmo isso seria proibitivo, pois revelaria um dos desdobramentos mais bacanas – e inesperados – do romance). Em seguida, falarei um pouco, e só um pouco mesmo, sobre os personagens e o enredo. Por fim, direi algumas coisinhas acerca da engenharia intrínseca a histórias desse tipo, cujas reviravoltas são tão fantásticas que o leitor se sente vitimado por uma cama de gato muito bem armada – e, o que é melhor, gosta disso.

Para começo de conversa, ressalto que Pinborough estruturou o romance alicerçada pela menos confiável das pessoas: a primeira. Mais do que isso, ela recorre não a uma, mas a duas primeiras pessoas. E, além delas, há ainda uma série de flashbacks em terceira pessoa, que enfocam eventos cujos detalhes são revelados ou, antes, obscurecidos a fim de incrementar a linha narrativa. Nesta, aliás, temos um “fim e um começo agora eternamente entrelaçados”, e a única coisa que posso dizer sem estragar a(s) surpresa(s) é: desde a estrutura do romance até o que os protagonistas dizem uns para os outros e para si, não confie em ninguém e mantenha os olhos bem abertos.

Citando outro trecho do romance, os laços que envolvem os personagens “parecem feitos de arame farpado”. Para onde quer que o leitor olhe, há pessoas que “transbordam de segredos”. E é impossível não olhar de perto, pois desde o começo as narradoras nos intimam a acompanhar as respectivas versões do que acontece. Elas são Louise, uma mãe divorciada que trabalha como secretária em uma clínica particular, e Adele, lindíssima, esposa de um psiquiatra chamado David, com quem acabou de se mudar para Londres e mantém uma relação tão complicada quanto intrigante – afinal, quem controla quem? E por quê? Louise e David se conhecem por acaso e acabam se envolvendo. Por sua vez, Adele se aproxima da amante do marido, estabelecendo uma amizade sem que ele saiba, e coloca em andamento um plano que… melhor parar por aqui.

A engenharia capaz de colocar de pé um edifício narrativo como Por trás de seus olhos é das coisas mais legais para se atentar, e por uma série de razões. Mais do que expor, sonegar e/ou controlar o fluxo de informações, a autora tece por meio de seus personagens uma rede de segredos e mentiras que engolfa os leitores. A gente se vê devorando uma página após a outra, correndo não só em direção ao desfecho e suas revelações (no plural mesmo, pois são várias), mas, também e acima de tudo, a uma reviravolta em particular, daquelas capazes de dar outro significado a todo o resto. É a tal cama de gato de que falei.

Pensem no conteúdo daquela caixa ao final de Seven saltando para nos assombrar ou, para usar um exemplo literário, nas coisas que descobrimos sobre a Garota exemplar, de Gillian Flynn. São livros diferentes, é claro, mas é possível encontrar similaridades estruturais entre eles, no modo como as vozes narrativas e os pontos de vista (inclusive por serem tão pouco confiáveis) brincam com as nossas expectativas. Em suma, Por trás de seus olhos tem cores sombrias, arquitetura labiríntica e corredores que nos levam a ambientes imprevistos. Vocês não gostariam de viver nesse edifício, mas o tour vale muito a pena.

>> Leia um trecho de Por trás de seus olhos

 

André de Leones é autor do romance Abaixo do paraíso, entre outros. Página pessoal: andredeleones.com.br.

Leia mais Artigos

Qual thriller é sua cara?

Qual thriller é sua cara?

Por que o livro de Mariana Enriquez dá palpitações no leitor

Por que o livro de Mariana Enriquez dá palpitações no leitor

Mindhunter: em livro e na TV, a mente de um caçador de serial killers

Mindhunter: em livro e na TV, a mente de um caçador de serial killers

O que nos resta quando eliminamos o ego

O que nos resta quando eliminamos o ego

Comentários

Uma resposta para “Não confie em ninguém

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *