Bastidores

Entre galáxias distantes, Hogwarts e Geekerela

14 / julho / 2017

Por Talitha Perissé*

 

Eu nunca tive muitos amigos, mas no início da minha vida algo ficou penosamente claro: eu não gostava dos mesmos assuntos que o pessoal da minha turma. Não que eu fosse excluída no colégio, mas também não tinha muito interesse nas conversas. As pessoas eram legais, só não eram… minhas pessoas.

Aos nove anos, um coleguinha de turma chegou com um livro novo e me contou a história. Na capa, um menino de óculos montava em uma vassoura. Assim que cheguei em casa pedi para o meu pai comprar o livro para mim.

No dia das crianças minha avó me deu Harry Potter e a Pedra Filosofal. Foi amor à primeira página. Nunca vou esquecer de “O Sr. e a Sra. Dursley, da rua dos Alfeneiros, nº 4, se orgulhavam de dizer que eram perfeitamente normais, muito bem, obrigado. Eram as últimas pessoas no mundo que se esperaria que se metessem em alguma coisa estranha ou misteriosa, porque simplesmente não compactuavam com esse tipo de bobagem.”

Foi com Harry Potter que tudo mudou para mim: onde quer que eu abrisse o livro para ler um pouco, conhecia alguém que gostava. Quando entrei na internet, um novo mundo se descortinou: as pessoas gostavam das mesmas coisas que eu!

Eu passei a andar pelos corredores de Hogwarts não mais sozinha! Eles estavam repletos de pessoas interessantes. Conheci gente do Brasil inteiro, discutimos um monte de teorias e escrevíamos fanfics juntos.

Assim como morei em Hogwarts, passei um tempo em uma galáxia muito muito distante e viajei pelo tempo e espaço com um alienígena em uma cabine policial azul que é maior por dentro do que por fora (ele mudava de rosto e de personalidade, o que era esquisito, mas aprendi a gostar de todas elas); e no mundo real conheci uma banda britânica que falava sobre uma menina com cinco cores no cabelo (nunca fui muito fã de normalidade).

Identifiquei essa mesma paixão em Elle, protagonista de Geekerela, de Ashley Poston. Para mim, assim como para Elle, as melhores amizades foram forjadas por esses interesses em comum, pela intensidade da nossa paixão por algo intangível. Caminhamos para Hogsmeade juntos, testemunhamos a Batalha de Hogwarts, choramos por aqueles que perdemos, também escrevemos histórias com os membros das bandas com quem queríamos casar e aguardamos nas filas com cartazes enormes para shows que esperamos anos para acontecer.  

Ler Geekerela foi como fazer uma amiga nova. Elle, apaixonada por Starfield, uma série clássica pouco conhecida, tem medo de que um remake hollywoodiano estrague tudo. Quem de nós nunca sentiu isso? (Estou de olho em você e em seus reboots, Hollywood).

Starfield não é o centro da vida de Elle. Ela trabalha no Abóbora Mágica, o incrível food truck de comida vegana, estuda e faz planos para o futuro: sonha em ser roteirista. Mas a série importa. Porque nesse mundão de sete bilhões de pessoas, naquele microcosmos, Danielle Wittimer se sente parte de algo maior que ela.

Órfã de pai e mãe, Starfield está presente nas memórias mais preciosas que guarda deles. Mesmo sabendo que aqueles que se vão nunca nos abandonam de verdade, é fácil entender por que a série importa tanto para ela. É com Starfield e seus fãs que Elle encontra o conforto que não pode mais encontrar nos pais. E quantos de nós já não se sentiram assim?

Darien Freeman, o galã escalado para estrelar o remake, também conta sua história no livro. Ele é um aficionado pela série que, por não parecer o típico fã, é considerado uma farsa. Sua equipe também acha que é ruim para a imagem de galã demonstrar que gosta tanto de uma série de ficção científica. Ah, se eles soubessem como é bom…

Darien e Elle se conhecem da melhor/pior maneira possível: o ator quer fugir dos compromissos na ExcelsiCon, a convenção para fãs de Starfield criada pelo falecido pai de Elle. Para isso, liga para o número da organização do evento disponível no site (qual é a dificuldade de manter as informações atualizadas em um site?), mal sabendo que é um telefone antigo, que foi herdado pela nossa protagonista. Eles então começam a trocar mensagens. Ele nem desconfia de que a pessoa com quem está trocando mensagens é a maior crítica do filme, e ela nunca ia imaginar que ele representa seus maiores receios em relação ao remake. Mas às vezes é mais fácil expressar o que a gente está sentindo quando as pessoas não têm chance de nos julgar pela aparência. Elle e Darrien descobrem isso do jeito mais adorável, hilário e encantador.

Geekerela é uma grande ode à cultura pop, e também uma homenagem a todos os fandoms que abraçaram seus membros sem julgamentos, a todos nós que encontramos nossas famílias nos lugares mais inusitados.

Depois de ler Geekerela desejei muito que Starfield existisse de verdade. Parece uma série incrível. Mas, enquanto esse sonho não se realiza, aceito fazer amizades verdadeiras com quem mais se encantar com a história da Elle e que esteja disposto a fazer cosplay de tripulação da Prospero.

 

*Talitha Perissé é editora assistente de aquisição infantojuvenil e entusiasta de muitas coisas. Entre novelas, séries de televisão, filmes, bandas britânicas que já deveriam ter lançado seu sexto álbum, livros e HQs, ela gostaria muito de ter o vira-tempo da Hermione. 

Leia mais Bastidores

Era uma vez uma fã, um astro pop e um clássico sci-fi…

Era uma vez uma fã, um astro pop e um clássico sci-fi…

Uma noite assustadora com Freddy

Uma noite assustadora com Freddy

Procura-se uma história que saiba que eu existo

Procura-se uma história que saiba que eu existo

Conhecendo Paris (e nós mesmos) com Jojo Moyes

Conhecendo Paris (e nós mesmos) com Jojo Moyes

Comentários

Uma resposta para “Entre galáxias distantes, Hogwarts e Geekerela

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *