Artigos

Romantizamos o suicídio e estigmatizamos a depressão

30 / junho / 2017

Por João Carvalho*

A depressão é um inimigo soturno e silencioso; ela ceifa mais vidas entre jovens que a violência e as doenças puramente físicas combinadas e, ainda assim, quase não falamos dela. Já o suicídio, vertente mais explícita e desencadeamento último da depressão, se tornou um lugar comum na cultura pop.  Por quê?

As razões são as mais diversas, mas, infelizmente, uma das principais está na nossa relação com ambos. Enquanto romantizamos o suicídio, estigmatizamos a própria depressão. Ao ostracizar a causa e relativizar o efeito mantemos como tabu uma doença que atinge desde as celebridades de Hollywood ao quitandeiro da esquina.

Ninguém tem vergonha de admitir que está gripado, ninguém se desculpa por ter sinusite, ninguém tem medo de perder os amigos, a família ou prejudicar a vida amorosa por causa de uma perna quebrada. Da mesma forma, todos nós nos solidarizamos com aqueles que lutam contra um tumor ou uma doença grave. No entanto, quando se trata de uma doença mental, a coisa muda de figura.

Somos bombardeados constantemente com ideais e metas inatingíveis pela sociedade: o corpo perfeito, a vida perfeita, as redes sociais perfeitas, relacionamentos extraordinários, os produtos certos, as séries da moda… Tudo isso pressupõe que nós mesmos deveríamos ser como todos esses produtos: perfeitos.

Contudo, a depressão é a síntese da imperfeição humana; ela é o que há de mais primordial e imperfeito em nós mesmos. É a manifestação mental e física de nossos medos, inseguranças e frustrações.

O suicídio, exatamente por sua raridade, exatamente por sua excepcionalidade, acaba por representar a “forma perfeita” para abordar o inabordável. Ninguém quer saber que você às vezes chora ao escolher uma meia. Ninguém quer saber da amargura que sente ao pensar no próprio futuro. No fundo, no fundo, todos nós nos olhamos no espelho e vemos uma fraude. Porém, quando alguém abandona a única coisa que de fato se possui, a vida, em um ato desesperado, mas, erroneamente percebido como corajoso, o elefante branco na sala passa a enfim ser discutido.

O suicídio é visível e, por sê-lo, vende. Vende séries na Netflix hoje em dia como vendeu o romance juvenil de Shakespeare três séculos atrás. Já a depressão continua como uma sombra, pairando sobre nós sem que as luzes da mídia a iluminem. Talvez, se jogássemos luzes o bastante sobre ela, perceberíamos que este fantasma pode ser menor e menos assustador do que parece.

É exatamente jogar luz sobre o fantasma da depressão que Matt Haig faz em seu magistral Razões para continuar vivo. Ele nos conta toda a sua trajetória desde a crise suicida até as planuras da convivência com a depressão e a ansiedade. Mais do que bem escrito, mais do que divertido, o livro de Matt é necessário. Traz em cada uma das suas páginas a atitude mais corajosa que um ser humano pode ter: despir o próprio ego e expor as fraquezas para que outros possam triunfar — e para que suas lições alcancem o maior número de pessoas.

 

Ao ler o livro de Matt, senti como se conversasse com um amigo de longa data, como se cada percalço, cada dificuldade e cada vitória de Matt também fossem minhas. O livro é leve como precisa ser para alcançar quem grita por ajuda. E forte e profundo o suficiente para lidar com um assunto tão denso quanto é a depressão e a ansiedade.

Assim como Matt, já estive à beira de me matar. Assim como Matt, consegui sair do abismo e perceber que existe vida, beleza, amor e alegria aqui fora. Pode parecer pouco, pode parecer distante, mas saiba que se você, assim como nós, já sentiu as forças se esvaindo e a dor tornando o mundo cinza, a leitura de um relato tão sincero e tão bonito pode ser um dos passos capazes de ajudá-lo a vencer essa que é a mais silenciosa e perigosa das doenças. Talvez a força da depressão esteja em viver nas sombras e nos convencer de que ninguém mais passou por aquilo que estamos passando. Razões para continuar vivo é, sobretudo, um testemunho de que você não está sozinho.

 

* João Carvalho é podcaster pelo Decrépitos, Anticast e Revolushow. Formado em História e Letras Clássicas e mestre em História Social, trabalha no Ministério das Relações Exteriores desde 2009. João é pai de um lindo menino chamado Erik e diagnosticado com distimia e TOC desde 2007.

Leia mais Artigos

Procura-se uma história que saiba que eu existo

Procura-se uma história que saiba que eu existo

Como não abrir mão de ser você mesma

Como não abrir mão de ser você mesma

3 conselhos sobre a Síria

3 conselhos sobre a Síria

Uma vida de aventuras pelas ondas e culturas ao redor do mundo

Uma vida de aventuras pelas ondas e culturas ao redor do mundo

Comentários

6 Respostas para “Romantizamos o suicídio e estigmatizamos a depressão

  1. Obrigado pelo texto João. Mostrei ele para um amigo meu que foi diagnosticado com depressão, ele gostou do texto também e eu encomendei o livro para ele de presente.

  2. João, obrigada por, mais uma vez, abordar este tema que não é passageiro, mas sim um viajante anônimo na minha vida. As pessoas ao meu redor ainda negam esse tipo de conversa, e se não fosse a Liberdade de poder conversar na internet sobre isso eu não teria a oportunidade de me conhecer e entender que essa tristeza/confusão/raiva são parte de uma doença maior. Forte Abraço!

  3. “romance juvenil de Shakespeare três séculos atrás”???

  4. outro autor que discorre sobre o suicídio é Augusto Cury. por trás da capa de ”auto ajuda” esse menino tem uns livros mt bons. BELO TEXTO JAO.

  5. O autor está se referindo à “Romeu e Julieta”.

  6. Romeu e Julieta é uma tragédia, escrita no final do século XVI. Não é um romance juvenil do século XVIII. E, de qualquer forma, não vende os suicídios ou pelos suicídios. Ou é só por isso que a obra de Shakespeare sobrevive até hoje? E, aliás, os suicídios não são causados por depressão. Tudo bem que o tema central aqui seja a depressão (e a propaganda de um livro sobre este tema), mas não custa dosar informações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *