Bastidores

Conhecendo Paris (e nós mesmos) com Jojo Moyes

13 / junho / 2017

Por Nina Lopes*

Tem cidade mais romântica do que Paris? Tem livro mais romântico do que um escrito pela autora-sensação-do-momento Jojo Moyes? Imagine então juntar as duas coisas? Não tem coração que não derreta.

Em três obras de Jojo, passamos por diferentes épocas e histórias de superação, no cenário onde todo mundo sonha em viver um caso de amor. Mas nem tudo são flores, nem mesmo em Paris. Nell, de Paris para um e outros contos, nosso mais novo lançamento da autora, também sonha em passar um fim de semana romântico na Cidade Luz, mas leva um bolo ainda na estação de trem e embarca sozinha e deprimida.

Mas, espera aí, quem foi que disse que não dá para comer croissant e beber champanhe sozinha? Dá, sim, senhor. E é isso que Nell faz. Ela deixa a dor de cotovelo de lado e resolve explorar a cidade que queria tanto conhecer. E mais do que tirar fotos nos pontos turísticos, ela acaba descobrindo coisas novas sobre si mesma, se revelando mais forte do que pensava.

No entanto, com Jojo, também é possível acompanhar o surgimento de histórias de amor em Paris, claro! É lá que Sophie (ai que nome francesinho) conhece Édouard, em A garota que você deixou para trás. Os dois se casam, mas não é nada fácil viver na França ocupada pelos alemães durante a Primeira Guerra Mundial, e o casal é separado pelas circunstâncias do conflito.

Por último, mas não menos importante, Louisa Clark, minha protagonista preferida de todos os tempos, vai para Paris recomeçar a vida e se redescobrir depois de enfrentar uma perda irreparável e aprender que é preciso respeitar os desejos dos outros. A cena de Emilia Clarke, que interpreta a personagem no filme Como eu era antes de você, sentada num café parisiense lendo aquela carta inesquecível de Will é uma das mais marcantes para mim. Mostra que é possível se abrir para novas possibilidades, cortar laços com o passado e perder o medo de arriscar, porém sem deixar a essência de lado (as meias de abelhinha representam isso).

Para as personagens de Jojo que passam por Paris, a cidade significa muito mais do que uma viagem romântica: marca a reviravolta do destino, a arte de se reinventar e não se acomodar. Com esses livros, aprendi que sair da zona de conforto é difícil, contudo se arriscar e se abrir às novas possibilidades pode ser ainda mais interessante.

A narrativa de Jojo é quase tão poética quanto a própria Paris, e só ela é capaz de mostrar um lado diferente da cidade: força, amadurecimento e independência superam o romantismo. Enquanto lia essas histórias, eu aprendi a ser desapegada como a Nell, a ser corajosa como a Louisa e sensível como a Sophie. Vamos ser destemidos, vamos em frente, quem sabe não acabamos em Paris?

*Nina Lopes é editora assistente no setor de ficção da Editora Intrínseca e é dessas que se apaixonam pelos personagens dos livros que lê.

Leia mais Bastidores

As obsessões que mudaram o mundo

As obsessões que mudaram o mundo

A vida de Anthony Doerr antes de Toda luz que não podemos ver

A vida de Anthony Doerr antes de Toda luz que não podemos ver

Amigos, amigos, livros à parte

Amigos, amigos, livros à parte

Sobre meu amor por todo o universo Lara Jean

Sobre meu amor por todo o universo Lara Jean

Comentários

5 Respostas para “Conhecendo Paris (e nós mesmos) com Jojo Moyes

  1. Adorei, e me incentivou a ler Jojo, obrigada pelas palavras que reconfortam e renovam!

  2. Quero receber mais informações sobre a autora e seus livros.

  3. Nunca li nada da Jojo, mas sei o quanto seus fãs a adoram. Assisti a entrevista que ela concedeu e me surpreendi com o pano de fundo de algumas histórias. Despertou a vontade de ler algo da autora.

  4. Sobre a cena de Clark em Paris, emocionante demais não tem como não chorar ouvindo a voz do Will falando com ela através da carta. Chorei muito. Jojo Moyes é 1000.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *