Bastidores

Conhecendo Paris (e nós mesmos) com Jojo Moyes

13 / junho / 2017

Por Nina Lopes*

Tem cidade mais romântica do que Paris? Tem livro mais romântico do que um escrito pela autora-sensação-do-momento Jojo Moyes? Imagine então juntar as duas coisas? Não tem coração que não derreta.

Em três obras de Jojo, passamos por diferentes épocas e histórias de superação, no cenário onde todo mundo sonha em viver um caso de amor. Mas nem tudo são flores, nem mesmo em Paris. Nell, de Paris para um e outros contos, nosso mais novo lançamento da autora, também sonha em passar um fim de semana romântico na Cidade Luz, mas leva um bolo ainda na estação de trem e embarca sozinha e deprimida.

Mas, espera aí, quem foi que disse que não dá para comer croissant e beber champanhe sozinha? Dá, sim, senhor. E é isso que Nell faz. Ela deixa a dor de cotovelo de lado e resolve explorar a cidade que queria tanto conhecer. E mais do que tirar fotos nos pontos turísticos, ela acaba descobrindo coisas novas sobre si mesma, se revelando mais forte do que pensava.

No entanto, com Jojo, também é possível acompanhar o surgimento de histórias de amor em Paris, claro! É lá que Sophie (ai que nome francesinho) conhece Édouard, em A garota que você deixou para trás. Os dois se casam, mas não é nada fácil viver na França ocupada pelos alemães durante a Primeira Guerra Mundial, e o casal é separado pelas circunstâncias do conflito.

Por último, mas não menos importante, Louisa Clark, minha protagonista preferida de todos os tempos, vai para Paris recomeçar a vida e se redescobrir depois de enfrentar uma perda irreparável e aprender que é preciso respeitar os desejos dos outros. A cena de Emilia Clarke, que interpreta a personagem no filme Como eu era antes de você, sentada num café parisiense lendo aquela carta inesquecível de Will é uma das mais marcantes para mim. Mostra que é possível se abrir para novas possibilidades, cortar laços com o passado e perder o medo de arriscar, porém sem deixar a essência de lado (as meias de abelhinha representam isso).

Para as personagens de Jojo que passam por Paris, a cidade significa muito mais do que uma viagem romântica: marca a reviravolta do destino, a arte de se reinventar e não se acomodar. Com esses livros, aprendi que sair da zona de conforto é difícil, contudo se arriscar e se abrir às novas possibilidades pode ser ainda mais interessante.

A narrativa de Jojo é quase tão poética quanto a própria Paris, e só ela é capaz de mostrar um lado diferente da cidade: força, amadurecimento e independência superam o romantismo. Enquanto lia essas histórias, eu aprendi a ser desapegada como a Nell, a ser corajosa como a Louisa e sensível como a Sophie. Vamos ser destemidos, vamos em frente, quem sabe não acabamos em Paris?

*Nina Lopes é editora assistente no setor de ficção da Editora Intrínseca e é dessas que se apaixonam pelos personagens dos livros que lê.

Leia mais Bastidores

As obsessões que mudaram o mundo

As obsessões que mudaram o mundo

A vida de Anthony Doerr antes de Toda luz que não podemos ver

A vida de Anthony Doerr antes de Toda luz que não podemos ver

Duas perguntas por dia

Duas perguntas por dia

Uma noite assustadora com Freddy

Uma noite assustadora com Freddy

Comentários

4 Respostas para “Conhecendo Paris (e nós mesmos) com Jojo Moyes

  1. Adorei, e me incentivou a ler Jojo, obrigada pelas palavras que reconfortam e renovam!

  2. Quero receber mais informações sobre a autora e seus livros.

  3. Nunca li nada da Jojo, mas sei o quanto seus fãs a adoram. Assisti a entrevista que ela concedeu e me surpreendi com o pano de fundo de algumas histórias. Despertou a vontade de ler algo da autora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *