Bastidores

A menina que roubava livros: um encontro no aeroporto, um casamento e 10 aniversários

15 / fevereiro / 2017

Por Danielle Machado*

Era uma vez uma garota que tinha acabado de se casar. Ela teria poucos dias de lua de mel, o que não a impediu de dar uma parada no aeroporto e procurar um livro pra levar na mala. Na primeira olhada pelas prateleiras, uma capa chamou a atenção como nenhuma outra. No meio dos livros de negócios da ponte aérea e dos romances que cabem certinho num voo doméstico, lá estava ela. E se a capa já era difícil de passar despercebida, a contracapa, então, nem se fala: quando a Morte conta uma história, você deve parar para ler.

Pois bem: a garota era eu e o livro, A menina que roubava livros. Num segundo ele já estava na mala (aqui, vale ressaltar que não foi roubado). E aquele crush de aeroporto virou um relacionamento sério: eu levei a Menina pra minha casa e ela me levou pra casa dela, a Intrínseca. Foi o primeiro livro que li da editora, e por causa dele, mais tarde naquele mesmo ano eu estava em um auditório lotado, na Bienal do Rio, só pra ver de perto o autor Markus Zusak. Não consegui o tão sonhado autógrafo (um grande arrependimento…), mas encontrei uma pessoa querida que, tempos depois, me convidou a trabalhar na Intrínseca. Estamos nessa desde então, a Menina e eu, seriamente juntas.

No primeiro aniversário dela, eu já a dividia com 350 mil pessoas Brasil afora. Sim, desde o início foi um relacionamento aberto. Conquistar a Menina é fácil, mas mergulhar nela de verdade requer fôlego. Mais de quatrocentas páginas de palavras falando de palavras. Mas isso não assustou quase ninguém. Aos 3 anos, se somássemos todas as palavras de todas as Meninas que existiam nas casas de vocês, já seriam mais de 125 trilhões.

Antes do aniversário de 6 anos, a Menina, pode-se dizer, já tinha se formado na escola — fazia tempo ganhara o diploma do Novo Acordo Ortográfico. E, para o aniversário de 7, aprendeu a falar outra língua: a do cinema. Vestiram-na apropriadamente para a ocasião. Quem já a conhecia, ficou surpreso; quem não, teve uma bela oportunidade de ser apresentado e, claro, se encantar.

Agora fazemos 10 anos. Eu, ela e meu casamento. E, se colocássemos deitadas em fila todas as Meninas deste país, daria pra cruzar 25 vezes a distância até aquele lugar distante da lua de mel, quando abri a primeira página que nos colocou juntas até hoje na minha segunda casa, que começou como uma casinha e agora é um casarão… mas, da Intrínseca, a gente mais fala em outro momento. Hoje o dia é dela! À Menina, nossos parabéns — meus e de todos os Intrínsecos  cujos cartões de aniversário, abaixo, ilustram este texto. Porque aniversário, Menina, é coisa séria, e nós temos é que comemorar.

Artes dos cartões: Maria de Fátima e Beatriz Cajaty, a partir das mais loucas pautas já concebidas no ramo editorial.

 

Danielle Machado é editora executiva na Intrínseca e, junto com uma equipe fantástica de editores, cuida de todos as publicações estrangeiras do nosso catálogo. Uma vez por mês, ela trará para o blog um pouco da memória da Intrínseca, falando de livros, dos autores e dos causos mais dignos de nota desta jovem casa editorial.

Tags , .

Leia mais Bastidores

O que faz de Um dia um romance inesquecível?

O que faz de Um dia um romance inesquecível?

Perdidos no mundo de J.J. Abrams

Perdidos no mundo de J.J. Abrams

Uma noite assustadora com Freddy

Uma noite assustadora com Freddy

Por onde e por que ler Neil Gaiman?

Por onde e por que ler Neil Gaiman?

Comentários

3 Respostas para “A menina que roubava livros: um encontro no aeroporto, um casamento e 10 aniversários

  1. Que texto mais lindo! Parabéns pelos 10 anos de casamento, Danielle. Eu amo muito esse livro, que também foi meu primeiro livro da Intríseca. E em 9 anos, o li 10 vezes. A última foi a edição de aniversário com conteúdo extra, que está maravilhosa. Seria muito legal se vocês pudessem lançá-la por aqui numa edição hardcover como fizeram com Loney e Ms. Peregrine. Eu amaria que minha 11ª passagem pela rua Himmel fosse numa nova edição com gosto de parabéns — e obrigado! 💚

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *