Miguel Sanches Neto

Despedida

13 / julho / 2015

leticia_blog

Nos últimos meses, Miguel Sanches Neto escreveu aqui no blog uma coluna que começou tratando de seu romance A segunda pátria e depois derivou para assuntos relacionados à escrita. Agora, ele se muda para Braga, em Portugal, onde ficará por um ano dedicando-se a um estágio de pós-doutorado sobre a obra de Graciliano Ramos e Eça de Queirós, obrigando-se, assim, a interromper a colaboração. O texto de despedida é um conjunto de 30 aforismos do autor.

*

Aqueles que odeiam nunca tiram férias.

*

Se apenas uma pessoa desfrutar da beleza ainda assim ela será eterna.

*

Revisar um livro de sua autoria é olhar-se minuciosamente no espelho, tentando identificar as imperfeições do próprio rosto.

*

Pertencia à espécie dos que nada esperam.

*

Ninguém nunca convence aqueles que têm os próprios interesses.

*

As terras mais distantes em que estive se chamam infância.

*

O memorialista faz turismo em si mesmo.

*

Aqueles que não puderam nascer riem de nossos desesperos.

*

Faz bem para a carreira literária morrer de tempos em tempos para ter a obra avaliada.

*

Os surdos intelectualmente não dialogam.

*

Toda e qualquer certeza é uma forma de surdez.

*

Há o escritor por insight e o escritor por insistência: um tem uma inteligência felina; o outro, uma inteligência bovina.

*

Fazer sempre protestos, primeiro contra nós mesmos.

*

Escrever um romance equivale a estar apaixonado por alguém que nos aguarda: queremos voltar quanto antes para casa.

*

O protesto pelo protesto é uma forma infantil de enfrentar problemas.

*

Só é possível continuar amando uma pessoa enquanto ela tiver espaços não explorados.

*

São os livros que escrevemos que, na verdade, nos escrevem.

*

Na esfera política, todo monstro se fantasia de vítima.

*

Não existe maior protesto do que pensar.

*

A literatura não entra em mentes literais.

*

A situação ideal do leitor é viver internado. Em si mesmo. Na biblioteca. No próprio quarto.

*

Não confundir preguiça com paciência nem dedicação extrema com pressa. Todo artista tem um ritmo que o inventa.

*

Nossa maior responsabilidade é com nossa vocação primeira. Não cultivá-la seriamente é um crime de lesa-pátria. A nossa pátria interior.

*

É preciso fazer política sem se fazer político.

*

Em textos literários, o uso de Photoshop é liberado.

*

Afirmação de identidades problemáticas:

No vidro traseiro de um carro ferrugento, o proprietário escreveu: SOU POETA.

*

Alguns escritores param de escrever ou começam a se repetir na maturidade talvez por se desinteressarem pelas gerações mais jovens.

*

O tempo desenha em nosso rosto as sombras de um morto.

*

Toda obra de arte é financiada pela dádiva.

*

Ter poucas paixões mas intensas, para que uma vida seja suficiente.

Tags , , , .

Leia mais Miguel Sanches Neto

Viagem psicodélica

Viagem psicodélica

Desejo de isolamento

Desejo de isolamento

A bondade nos tempos de guerra

A bondade nos tempos de guerra

O pior apóstolo

O pior apóstolo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *