Notícias

De estátua viva a mobilizadora de multidões

23 / fevereiro / 2015

photo-1024x768

Vestida de noiva e com o rosto pintado de branco, Amanda Palmer oferecia flores aos que passavam pela Harvard Square, um movimentado cruzamento em Cambridge. Durante anos, a cantora — considerada um ícone indie — pagava as contas com o dinheiro que conseguia como estátua viva. Muito mais que uma simples forma de sobrevivência, as performances na rua despertaram em Amanda um novo modo de levar a vida.

Começava ali sua conexão direta com desconhecidos. O contato com pessoas com quem ela nunca tinha falado antes, mas que eram capazes de deixar alguns trocados no chapéu que ficava no chão. Durante esse período, Amanda entendeu que existe uma confiança implícita entre quem apresenta sua arte e aquele que deseja retribuir— ou pagar o quanto quiser — por ela.

Com a bagagem adquirida nas ruas, Amanda se aventurou como balconista, escritora e diretora de peças de teatro, garçonete, vendedora de brechó e stripper até se tornar uma cantora, compositora, diretora e blogueira de renome internacional (além de esposa de Neil Gaiman).

CAPA_AArteDePedir_WEB

As atividades em diferentes áreas lhe ensinaram muitas coisas, principalmente a saber pedir. Sem medo de se mostrar vulnerável, ser rejeitada ou ser considerada fraca, Amanda Palmer se tornou a cantora que dorme na casa dos fãs, que conta com eles para arrecadar dinheiro para a produção do álbum de sua banda, que fala abertamente sobre a importância e a dificuldade de pedir ajuda, seja ao marido famoso ou a um desconhecido.

Tudo isso está revelado em A arte de pedir, que chega às livrarias em março. Mobilizadora de multidões online, Amanda comenta desde a intimidade com marido até a experiência bem- sucedida no Kickstarter, site de financiamento coletivo, através do qual arrecadou mais de 1 milhão de dólares para seu projeto musical, recorde que chamou atenção tanto da imprensa como da indústria fonográfica.

Longe de ser um manual, a obra mostra que pedir é digno e necessário e que a conexão entre quem dá e quem recebe é uma das coisas que mais enriquecem a vida humana.

Neil Gaiman e Amanda

Leia mais Notícias

“Segundo – Eu me chamo Antônio” em Belém

“Segundo – Eu me chamo Antônio” em Belém

Turnê “Segundo – Eu me chamo Antônio”

Turnê “Segundo – Eu me chamo Antônio”

Desfecho da série Como treinar o seu dragão será lançado em janeiro

Desfecho da série Como treinar o seu dragão será lançado em janeiro

A empolgação com o desfecho de Os Legados de Lorien

A empolgação com o desfecho de Os Legados de Lorien

Comentários

6 Respostas para “De estátua viva a mobilizadora de multidões

  1. Mulher incrível, fascinante e inspiradora. Estava aguardando ansiosa por essa notícia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *