Notícias

As cores do Holocausto

4 / abril / 2013

Aos 83 anos, a respeitada artista plástica Helga Weiss vive em Praga no mesmo apartamento em que morou com os pais antes da Segunda Guerra Mundial. Enviada para os campos de concentração de Terezín e de Auschwitz, a sobrevivente do Holocausto seguiu à risca a recomendação do pai e passou a desenhar tudo o que via. O resultado é um retrato inédito do cotidiano dos prisioneiros judeus pela perspectiva de uma criança.

Pão em carros fúnebres (27 de dezembro de 1942)

A palavra inscrita na lateral do carro é Jungendfürsorge (assistência para jovens).

Em 1941, Helga e seus pais foram enviados ao campo de concentração de Terezín, uma cidade militar transformada em gueto judeu. Seus precários alojamentos, que chegaram a abrigar mais de 60.000 pessoas, não reservavam mais do que 1,80m² para cada habitante.

Para o seu aniversário de catorze anos (novembro de 1943)

Para o seu aniversário de catorze anos (novembro de 1943)

Um desenho feito para sua amiga Francka. Em seu diário, Helga escreveu: “Nascemos na mesma maternidade, dividíamos a mesma cama e viramos melhores amigas em Terezín. Imaginávamos como seria mais tarde, quando as duas fossem mães e saíssem depois de catorze anos para passear por Praga. Francka morreu em Auschwitz antes de completar quinze anos.”

Filha de um bancário e de uma costureira, Helga começou a escrever um diário em 1938, quando tinha apenas oito anos e seu país, a Tchecoslováquia, acabava de ser ocupado pelas tropas nazistas. Seus desenhos e anotações, que abrangem o período de 1939 a 1945, foram reunidos em O diário de Helga.

Uma página do caderno de Helga

A anotação à esquerda diz: “Esqueça as horas de sofrimento,/ Mas nunca as lições que ensinaram./ Em memória de Francka”. À direita lê-se: “Quando o prato principal for batatas e nabos,/Terezín está contigo!”

Leia um trecho de O diário de Helga.

Leia também:

Uma pintora russa retrata a agonia de sua cidade
O beijo do Führer
Testemunhas do Holocausto: a escritora Irène Némirovsky

Tags , , , , .

Leia mais Notícias

Bob Dylan

Bob Dylan

O capitão John Green

O capitão John Green

Humanos e máquinas estão em guerra em Descender, novo quadrinho de Jeff Lemire

Humanos e máquinas estão em guerra em Descender, novo quadrinho de Jeff Lemire

Confira as fotos da sessão de autógrafos com Míriam Leitão na Bienal do Livro Rio

Confira as fotos da sessão de autógrafos com Míriam Leitão na Bienal do Livro Rio

Comentários

3 Respostas para “As cores do Holocausto

  1. Como faço para encomendar esse livro? Quanto ficaria o frete para a cidade de Tucuruí-PA?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *